A Igreja de Esmirna não existia em 60 AD

EsmirnaJesus passou seus ensinamentos para os doze Apóstolos, e Paulo passou seus ensinamentos para Timóteo (I & II Timóteo). Mas, poderíamos encontrar alguém não mencionado nos escritos Neo Testamentários que conheceu e conviveu com algum dos Apóstolos de Jesus? Sim, um homem chamado Policarpo.

Policarpo (69-156 dC) viveu no atual oeste da Turquia, e foi o bispo de Esmirna.

Esmirna aparece em um livro da Bíblia: foi a cidade onde ficava uma das sete Igrejas mencionadas em Apocalipse.

Apocalipse 2:8-10

E ao anjo da igreja que está em Esmirna, escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto, e reviveu:

Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás.

Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.

João foi o autor do livro, e por isso sabia de todas as sete cidades listadas em Apocalipse 2-3. Ninguém sabe ao certo se João visitou todas essas Igrejas, e embora a história confirme que o Apóstolo viveu em Éfeso antes de ser enviado para Patmos, esta Igreja estava sob a orientação de Paulo antes de 70 dC.

O detalhe importantíssimo é que Esmirna ficava apenas 30 milhas de distância da cidade de Éfeso. O problema preterista começa aqui: A Igreja de Esmirna não existia na época de Paulo, pois se existisse nada impedira que ele fosse visitá-la, já que a distância entre as duas cidades era  tão pequena.  

No versículo abaixo Policarpo deixa implícito que a sua igreja nem sequer existia nos dias do apóstolo Paulo. É interessante notar que Esmirna nunca é mencionada no livro de Atos ou em qualquer outra epístola do Novo Testamento.

Ele escreve aos Filipenses,

Mas eu nem vi nem ouvi nada semelhante entre vocês, no meio daqueles com quem Paulo trabalhou, e que estão louvados no início de sua epístola. Com efeito, ele se gloria de vocês diante de todas as Igrejas que sozinhas conheciam o Senhor; mas nós [de Esmirna] não o conhecíamos”. (Policarpo – Epístola aos  Filipenses, XI)

Somente pelo fato de Policarpo dizer que a Igreja de Esmirna não conheceu o Apóstolo dos gentios, já demonstra que ela – mesmo que existisse antes de Policarpo – não foi instituída no tempo de Paulo. Considerando que ele foi martirizado em fins de 67 AD, deve significar que não havia ali congregação nenhuma nessa época – se houvesse uma Igreja em Esmirna na década de 60 AD, quem deveria ter lhes dirigido uma carta era Paulo e não João. E, se Esmirna ficava a pequena distância da Igreja de Éfeso, onde o Apóstolo permaneceu por dois anos pregando a Palavra ( Atos 19: 1-10 ), nada impediria que fosse visitá-la, mencionado-a em algumas de suas cartas.

O que se observa depois de inúmeros detalhes, é que  não havia sequer uma igreja na cidade de Esmirna quando os preteristas garantem que João os escreveu (63-65 dC). Escusado será dizer que isto favorece fortemente uma data pós 70 dC para a redação do Livro de Apocalipse.

Atente para este texto biográfico de Policarpo,

Nascido em uma família cristã por volta dos anos 70, na Ásia Menor (atual Turquia), Policarpo era discípulo do Apóstolo João. Em sua juventude costumava se sentar aos pés do Apóstolo do amor. Também teve a oportunidade de conhecer Irineu, o mais importante erudito cristão do final do segundo século. Inácio de Antioquia, em seu trajeto para o martírio romano em 116, escreveu cartas para Policarpo e para a igreja de Esmirna”. Policarpo de Esmirna

Segue outro texto biográfico de Policarpo,

Policarpo foi ordenado bispo de Esmirna pelo próprio João Evangelista. De caráter reto, de alto saber, amor a Igreja e fiel à ortodoxia da fé, era respeitado por todos no Oriente. Com a perseguição, o Santo bispo de 86 anos, escondeu-se até ser preso e assim foi levado para o governador, que pretendia convencê-lo de negar a Cristo. Policarpo, porém, proferiu estas palavras: “Há oitenta e seis anos sirvo a Cristo e nenhum mal tenho recebido Dele. Como poderei negar Aquele a quem prestei culto e rejeitar o meu Salvador?” Policarpo de Esmirna

Observe um trecho da carta aos Filipenses redigida por Policarpo. Aqui ele  escreve sobre os de Filipos, àqueles que ainda estavam vivos na época desta epístola,

Pois nem eu, nem ninguém como eu, pode chegar a sabedoria do abençoado e glorificado Paulo. Ele, estando entre vocês, comunicou com exatidão e força a palavra da verdade na presença daqueles que estão vivos ainda”. Cap III

Ele cita  aqueles com quem Paulo trabalhou, o que sugere uma missão em conjunto no passado e fala dos que ainda viviam, sendo que no verso anterior ele alega que nem ele e nem a Igreja de Esmirna conheceu o Apóstolo. Ele nem podia, como já vimos, Policarpo tinha pouco mais de um ano  quando Jerusalém foi destruída – ele nem era nascido  quando Paulo foi martirizado.

No entanto, o absurdo preterista não tem limites. Algumas vertentes dessa escola alega que João começou a escrever o Apocalipse entre  62 e 64 d.C e concluiu o Livro por volta de 96 d.C. Isso  significa  que ele esteve preso por quase uma geração!

Essa visão do preterismo força-os a enviar João para a ilha por volta de 60 AD, mantendo-o encarcerado até  fins do primeiro século. Eles aprisionaram João  por quase 40 anos (?).  Quando ele tutelou Policarpo? A Biografia acima diz que Policarpo assentava-se aos pés do Apóstolo numa época em que era bem jovem. Se João discipulou  Policarpo depois de ter sido liberto do cativeiro, perto do primeiro século, significa que Policarpo já estaria alcançando seus trinta anos de idade,  não sendo mais tão jovem. O que se percebe é que João foi exilado em meados de 80 AD. Isso implica dizer que Policarpo já era seu discípulo antes dele ter sido aprisionado.

A verdade salta diante dos olhos!

João  foi exilado  no governo de Domiciano, e ali, no final do governo deste imperador romano, ele  recebeu as revelações do Apocalipse!

A igreja de Esmirna jamais poderia ter recebido uma carta do Apóstolo João  na década de 60… ELA NÃO EXISTIA!

João NUNCA ESTEVE EM Pátmos antes de 70 d.C!

Apocalipse não trata da destruição de Jerusalém, mas foi redigido quase 3 décadas após a queda da cidade!

Daquele dia e hora ninguém Sabe

Se Mateus 24 pode ser mostrado para conter referências a dois acontecimentos históricos – o cerco de Jerusalém em 70 dC e a consumação da história em um tempo futuro, então aqueles que começaram a sua viagem pela estrada para o preterismo com base nesse texto devem sentir-se compelidos a reexaminar o seu destino.

A partir da história, sabemos que a predição de Jesus em 24:1-2 foi cumprida no ano 70 dC quando os romanos cercaram Jerusalém e destruíram o templo. O versículo 34 afirma especificamente que os eventos descritos ocorrerão em “esta geração”. Em contraste com esses pontos, especificamente Jesus diz que ninguém sabe quando isso irá ocorrer nos versículos 36 e 42. Conclui-se então que Jesus fala de dois diferentes eventos.

36  Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai.

42  Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor.

Observem se não seria trivial demais afirmar que, por um lado vários sinais devem levar a ação (16), que vários sinais devem indicar que o tempo está muito próximo (14, 33) e, simultaneamente, que o “dia e a hora” ninguém sabe, nem mesmo o Filho de Deus ou os anjos. Por que, se o capítulo trata da destruição de Jerusalém que ocorreria dentro daquela geração? Ora, se as palavras de Jesus deveriam ser cumpridas naquela geração, então tudo ocorreria dentro de , no máximo, 40 anos, o que significa que todos os ouvintes saberiam com precisão o tempo do cumprimento de cada sentença dita pelo Senhor.

Esse é o ponto de  todo o contraste: é a mesma coisa que dizer que os discípulos certamente sabiam a semana ou o mês do evento, mas não o dia específico da semana. Isto parece ser o resultado de uma leitura não natural do texto. O que suaviza as  diferenças no relato é a interpretação real de duas ocorrências, a previsão de  dois eventos. Se esta visão futurista para a maior parte de Mateus 24 está correta, então o preterismo está incorreto. Por que? Por causa de um ponto importantíssimo, que coloca o preterismo em evidente contradição: logo depois das previsões catastróficas, que segundos eles, todas, ocorreram antes de 70 dC, Jesus separou  ovelhas e  bodes, e os enviou  cada um ao seu destino eterno respectivo (25:31-32); isso ainda não aconteceu!

Tribulação iminente

Uma vez que os preteristas ensinam que todos os termos similares a tribulação, como: grande tribulação, angustia das nações, julgamento sobre os moradores da terra, guerras e rumores de guerras, fome, peste e terremotos, devem ser aplicados à destruição de Jerusalém, que tudo ocorreu antes do ano 70 dC, conclui-se que Mateus 24 e todo o Livro de Apocalipse já foram cumpridos. No entanto, a referência a Noé em Mateus 24:37-38 parece indicar que a vinda do Filho do Homem será como nos dias de Noé: Noé entra na arca e em seguida vem a destruição sobre os moradores de toda a terra. E mais um detalhe: Há aqui à impossibilidade de conhecer o calendário do evento  e a conduta da vida como direito comum até o evento.

Deve-se observar que  há um paralelo entre Noé entrar na arca (Lc 17:27) Ló deixando Sodoma (17:29) e a revelação de Jesus como o Filho do Homem (17:30). Portanto, quase todo o capítulo de Mateus 24 trata de sinas anteriores à Segunda Vinda de Cristo.

Os Habitantes da Terra de Canaã

Apocalipse 3

10 “Porque guardaste a palavra de minha paciência, também eu te guardarei da hora da provação, que está para sobrevir ao mundo inteiro, para provar os habitantes da terra”.

Acreditem ou não, mas um preterista afirmou com toda convicção:

“Sobre a tentação que vira sobre o mundo, seria apenas para provar os habitantes da terra; habitantes da terra era a forma teológica que os profetas designavam para os habitantes de Jerusalém”.

… Continua o preterista: “…  podemos ler que as tribulações viriam sobre os Habitantes da Terra, logo  (os protestantes)  ligam essa frase (Habitantes da Terra) como se fosse ligado aos Habitantes de todo o nosso planeta. Em algumas traduções da Bíblia protestante, “traduções malignamente adulteradas”, está escrito (os que Habitam sobre a terra), isso é só mais uma de suas adulterações, pois a frase correta é esta: (HABITANTES DA TERRA).” 

E acrescenta, 

“… essa frase tem um sentido simbólico, também foi usado pelos Profetas do (AT) para identificar os Judeus que viviam em Jerusalém; esse termo “Habitante da Terra” provém de Habitantes da terra prometida, ou seja, Habitantes de Canaã”. 

Como a visão dele é preterista, e ele acredita que o Livro de Apocalipse fala da destruição de Jerusalém, e que todo o Livro profético já teve cumprimento, então concluiu – na marra – que habitantes da terra é uma referência aos moradores de Jerusalém vítimas da invasão romana em 70 dC.

Aqui vai uma pergunta  bem oportuna: por que Deus avisaria a uma Igreja que ficava a uma distância enorme da Judéia que ela seria guardada da hora da provação que viria sobre Jerusalém? A Igreja de Filadélfia  ficava a centenas de quilômetros de Jerusalém e certamente jamais seria atingida por Roma.

Mas tem um detalhe curioso no texto quando diz sobre a “provação que está para sobrevir ao mundo inteiro”, e em seguida diz que essa provação é “para provar os habitantes da terra”.

A provação está para vir sobre todo  o planeta, mas garante o preterista que ela já veio sobre os  habitantes de Jerusalém em 70  dC. Parece que ele nem percebeu a expressão “mundo inteiro”, descrevendo que a provação seria de âmbito global. Ele simplesmente interpreta habitantes da terra como sendo os habitantes da terra de Jerusalém. E mundo inteiro é o que?

“… hora da provação, que está para sobrevir ao mundo inteiro…”

Significado de Mundo Todo

Apocalipse 3:10  “… Porque guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que virá sobre todo o mundo [oikoumenes], para tentar os que habitam sobre a terra [ges].

A utilização do escritor tanto de oikoumenes e ges [Terra] neste versículo, comunica muito claramente o que ele pretendia transmitir através da palavra oikoumene: O mundo todo, no sentido de toda a terra.

Aqui estão mais algumas passagens que usaram oikoumene com a óbvia intenção de transmitir o seu significado primário, ou seja, o mundo todo.

Lucas 4:5 Então o Diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe todos os reinos do mundo [oikoumenes] em um momento de tempo.

Este é um versículo da tentação de Jesus no deserto, que ocorreu após o seu batismo no rio Jordão. Aqui temos a mesma expressão usada em Apocalipse 3:10 na referência sobre “mundo”, que antecede a palavra habitante da terra. O significado é “terra habitada” e “o mundo habitável”, respectivamente.

O preterismo insiste, argumentando o contrário, que ge [terra] não significa terra, mas apenas o sentido de “terra” dentro de uma determinada região, por isso eles concluem que a hora do julgamento estava chegando através do Império Romano para testar os habitantes da “terra” de Jerusalém.

Toda  Terra

E sobre a palavra grega ge? Em Mateus 24:30, quando Jesus disse que “todas as tribos da terra” se lamentariam, será que ele quis dizer apenas as “tribos” na “área limitada” da terra ao redor de Jerusalém?

“Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória”.

E em Lucas 23:44, na ocasião da crucificação de Jesus, quando afirma que uma escuridão caiu sobre a “terra inteira [gen]”, foi apenas sobre a terra ao redor de Jerusalém?

“E era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até à hora nona, escurecendo-se o sol”.

E aqui entra outra questão: Por que Apocalipse, Mateus e referências, quando mencionam habitantes da terra ou similares, não fez como em muitas outras passagens como estas abaixo que revelam o sentido limitado de terra dentro de uma região? Observem que aqui lemos sobre “a terra do Egito “ou” a terra de Israel“,

Mateus 11:24  Mas eu vos digo que haverá menos rigor para a terra [ge] de Sodoma, no dia do juízo, do que para você.

João 3:22  Depois disto foi Jesus e seus discípulos entraram na terra [gen] da Judéia, e ali permaneceu com eles e batizava.

Hebreus 8:8-9  Porque repreendendo-os, Ele diz: “Eis que vêm dias, diz o Senhor, quando farei uma nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá – não de acordo com a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão para levá-los para fora da terra [ges] do Egito, porque não permanecerdes na minha aliança, e eu desconsiderada, diz o SENHOR”

Mateus 14:34  Quando eles tinham atravessado, chegaram a terra [gen] de Genesaré.

Atos 13:17-19  “O Deus deste povo de Israel escolheu a nossos pais, e exaltou o povo, sendo eles estrangeiros na terra [ge] do Egito; e com braço poderoso os tirou dela; E suportou os seus costumes no deserto por espaço de quase quarenta anos. E, destruindo a sete nações terra [ge] de Canaã, deu-lhes por sorte a terra [ge] deles”.

Estes são apenas alguns dos muitos exemplos do Novo Testamento que mostram como a palavra grega ge foi usada quando o significado era apenas aplicado a uma região em vez de toda a terra. Por isso, se os escritores sinópticos queriam deixar entendido que a escuridão que caiu ao meio-dia – na ocasião da crucificação – em apenas uma região, eles certamente teriam escrito que houve trevas na terra [gen] da Judéia ou Jerusalém. Em vez disso, eles disseram que havia trevas sobre “toda a gen”, ou seja, “toda a terra habitada”.

Não seria difícil para João acrescentar os detalhes desejados pelos preteristas se ele pretendia passar o mesmo entendimento aos seus leitores em Apocalipse. Bastaria ao Apóstolo apenas adicionar uma palavra no texto em estudo, se ele realmente fazia referência à terra de Israel. Por exemplo, acrescentar a palavra Jerusalém em Apocalipse 3:10,  “Porque guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que virá sobre todo o mundo, para tentar os que habitam sobre a terra [de Jerusalém]”. O que não faz nenhum sentido, pois se é para o mundo todo não poder ser restrito ao território judeu.

Atente para mais esse  trocadilho abaixo, em Lucas 21:25, 26,

“Haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas. Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto as virtudes do céu serão abaladas”.

Apenas observem o tremendo estrago na doutrina preterista se acrescentamos a palavra Jerusalém depois da palavra terra,

Haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra [de Jerusalém] angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas. Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto as virtudes do céu serão abaladas”.

Aqui acaba o preterismo!

“… na terra de Jerusalém angústias das nações…”.

A expressão que indica uma reviravolta em todo o planeta acerta em cheio a heresia preterista, quando o texto acima acrescenta sobre as “coisas que sobrevirão ao mundo“.

E a sentença final da passagem registra que as calamidades descritas em boa parte do contexto alcançarão toda a terra,

“E olhai por vós, não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia.     Porque virá como um laço sobre todos os que habitam na face de toda a terra”, vv 34,35

Durante todo o Novo Testamento, os contextos determinam quando  ge estava sendo usado no sentido de toda a terra. Porém, desde que o significado de ge como o usado por Mateus está em disputa, vou apenas citar aqui exemplos de seu evangelho.

Mateus 5:18  Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra [ge]  passem nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido.

Mateus 5:34-35  Mas eu vos digo, não jureis: nem pelo céu, porque é o trono de Deus, nem pela terra [ge], pois é escabelo de seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande Rei.

Mateus 6:9-10  Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra [ges como no céu;

Mateus 6:19-20  Não ajunteis para vós tesouros na terra [ges], onde a traça e a ferrugem corroem e onde os ladrões minam e roubam, mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem destroem, e onde os ladrões não arrombam e furtam.

Mateus 9:4-6 Mas Jesus, conhecendo os seus pensamentos, disse: Por que pensais mal em vossos corações? Pois, qual é mais fácil? dizer: Perdoados te são os teus pecados; ou dizer: Levanta-te e anda? Ora, para que saibais que o Filho do homem tem na terra [ges]  autoridade para perdoar pecados (disse então ao paralítico): Levanta-te, toma a tua cama, e vai para tua casa.

Mateus 11:25  Naquele tempo, Jesus respondeu, e disse, “Eu Te agradeço, ó Pai, Senhor do céu e da terra [ges], que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos”

Existem vários outros exemplos em Mateus, mas estes são suficientes para chegarmos ao ponto preterista. Quando ge foi usado, o contexto indica se ele estava sendo usado para significar a terra inteira ou apenas uma área regional de terra ou simplesmente terra ou sujeira. Um exemplo deste último é Mateus 13:5, onde numa das parábolas, Jesus se referiu a semente que caiu em pedregais, onde não tinha “boa terra [gen]”, e assim as plantas secaram e morreram por não ter “profundidade na terra [ges]”. Aqui a palavra ge, usada duas vezes, obviamente não significa nem o planeta e nem toda uma área regional de terra, mas terra ou sujeira.

Este ponto foi desenvolvido longamente, porque o significado de Mateus 24:29-30 é crucial para a posição preterista. Outro detalhe que o texto apresenta, é o que acontecerá imediatamente após a tribulação descrita no contexto: A Volta do Senhor.  Atentem para as expressões “logo depois” e “em seguida”.

Logo depois da tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, as estrelas cairão do céu, e os poderes dos céus serão abalados. Em seguida, o sinal do Filho do Homem aparecerá. no céu, e então todas as tribos da terra [gesse lamentarão e verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.”

Obviamente a palavra não foi usada para apontar apenas os habitantes “de Jerusalém” ou “da Judéia” contemplando o “filho do homem na sua vinda.” Mateus sabia o que estava fazendo quando usou ge no sentido restrito (2:6; 2:20-21, 4:15; 10:15, 11:24; 14:34). O Espírito Santo não seria tão descuidado ao “inspirar” tal ambigüidade em uma passagem tão importante para uma doutrina central bíblica. Tudo o que o Espírito Santo tinha a fazer era dirigir Mateus para escrever “ges de Jerusalém “ou” ges de Judéia”, e os preteristas não estariam tendo essa discussão.

Existe uma ligação estreita entre todo este contexto e Zacarias 12. Os Preteristas cometem o mesmo erro em ambas as passagens ao  tentar limitar o âmbito de Israel e Jerusalém. Mas a passagem de Zacarias claramente descreve um tempo “quando todas as nações da terra se reuniram contra [Jerusalém]“ (Zc. 12:3). E o resultado da batalha é completamente diferente do que a destruição de Jerusalém em 70 dC: “Naquele dia o Senhor defenderá os habitantes de Jerusalém… Eu tratarei de destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém” (Zc. 12:8-9). Mas nada do tipo aconteceu em 70 dC.

O contexto mundial, portanto, é evidente em cada passagem do último Livro das Escrituras nas expressões “O mundo todo e habitantes da terra”. Assim, quando Apocalipse diz que “aqueles que habitam sobre a terra” (Ap  3:10; 6:10; 8:13; 11:10 [duas vezes]; 13:08, 12,14 [duas vezes]; 17:2, 8) são os objetos da ira que está retratado em suas páginas, as evidências apontam para a natureza multi-étnica deste grupo, o que indica uma área mais ampla do que apenas a terra de Israel como argumentam os  preteristas.

Outra evidência contra a tentativa preterista para interpretar o Apocalipse como um Livro que trata do julgamento de Israel em 70 dC, se encontra em uma comparação de Ezequiel 3 com Apocalipse 10. Aos dois profetas,  Ezequiel e João, são dados livros para comer. Ambos os livros são doce ao paladar, mas amargo, uma vez digerida. Ambos os livros contêm profecias. No entanto, há uma diferença significativa entre o que Ezequiel e João ingeriram: Ezequiel come uma mensagem destinada a Israel, mas João come uma mensagem para todas as nações. A Ezequiel é ordenado  profetizar a “casa de Israel, não a muitos povos de fala estranha” (Ez 3:1- 6), enquanto a  João é dito: “que profetizes outra vez a  muitos povos, nações, línguas e reis” (Ap 10:11). A mensagem de João é sobre muitos povos, nações, línguas e reis. Que mais poderia Deus dizer para fazer com que a mensagem de Apocalipse é claramente de extensão global?

Por que o Tempo está Próximo

REVELAÇÃO de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo, Apoc 1:1

O Preterismo coletou aquilo que eles chamam de Textos do Tempo em Apocalipse, que levam a acreditar que o cumprimento do próprio Livro profético tinha que ocorrer durante o primeiro século. Estes são os textos:

 1) “coisas que brevemente devem acontecer” (1:1).

 2)  “Porque o tempo está próximo”  (1:3).

 3) “em breve virei a ti (tachús)”  (2:16).

 4) “Eis que venho sem demora (tachús)”  (3:11).

 5) “É passado o segundo ai; eis que o terceiro ai cedo virá (tachús)” (11:14)

 6) “As coisas que brevemente devem (tachos) ter lugar” (22:6).

 7) “Eis que venho sem demora (tachús)” (22:7).

 8) “Porque o tempo está próximo (Eggús)” (22:10).

 9) “Eis que venho sem demora (tachús)” (22:12).

10) “Sim, eu venho (tachús)”  (22:20).

Outras passagens citadas fora do Livro de Apocalipse

o dia está próximo” (Rm 13:12),”O fim de todas as coisas está próximo” (I Pedro 4:7), “a vinda do Senhor está próxima“(Tiago 5:8) e “o juiz está às portas” (Tiago 5:9).

Sabemos com certeza que as frases que falam da “proximidade” do Dia do Senhor não são declarações que Jesus retornaria em questão de meses ou anos.

Observem a similaridade com essas passagens:

Clamai, pois, o dia do Senhor está perto; vem do Todo-Poderoso como assolação”, Isaías 13:6.

Porque está perto o dia, sim, está perto o dia do Senhor; dia nublado; será o tempo dos gentios”, Ez 30:3.

“… o dia do Senhor está perto; porque o Senhor preparou o sacrifício, e santificou os seus convidados… esquadrinharei a Jerusalém com lanternas, e castigarei os homens que se espessam como a borra do vinho, que dizem no seu coração: O Senhor não faz o bem nem faz o mal… O grande dia do Senhor está perto, sim, está perto…”, Sofonias 1:7-14.

A afirmação de que “o dia do Senhor está próximo” poderia não significar o próximo em meses ou anos porque eles foram feitos centenas de anos antes de 70 dC, a suposta época da sua realização!

A frase “as coisas que brevemente devem acontecer” (Ap 1:1) deveria ter sido traduzida como “as coisas que devem acontecer em um curto período de tempo.” Jesus disse simplesmente que os acontecimentos descritos na revelação teria lugar em um curto período de tempo ao invés de se arrastar por décadas.

A frase “venho sem demora” (Ap 3:11; 22:7,12,20) é outro erro de tradução horrível. A palavra “tachu” que é traduzida como “rapidamente”, significa “em breve”, ou seja, sem atraso, em breve, ou (de surpresa), de repente, ou prontamente: Levemente, de forma rápida.

Jesus diz a todos que Ele vai voltar de forma extremamente rápida. Ele vai aparecer do nada. Vai ser uma surpresa para aqueles que não estão prestando atenção ao Seu retorno (I Ts 5:2-4; Apoc 3:3; 15:15) O contexto exige que a tradução seja “de repente”. Sabemos que este é o entendimento correto, porque o Senhor disse que voltaria como um ladrão na noite (I Tess 5:2; II Pedro 3:10; Apoc 16:15), e como uma armadilha (Lc 21:34).

As frases “o dia está próximo” (Rm 13:12), “O fim de todas as coisas está próximo” (I Pedro 4:7) e “a vinda do Senhor está próxima” (Tiago 5:8) são declarações de edificação. É uma maneira de o Senhor encorajar todos os crentes para mantê-los espiritualmente alerta. Crentes que estão espiritualmente alertas (sóbrios, acordados) não serão pegos de surpresa. Eles vão vê-lo chegando, porque há vários sinais claros que devem ter lugar antes da Tribulação começar (I Tess 5:1-6; II Tess 2:3).

Também sabemos com certeza que essas frases não têm muito efeito quando aplicadas aos textos do tempo da ala preterista, pois, por exemplo, Tiago escreveu que Jesus estava as portas na década de quarenta, quase trinta anos antes do seu alegado retorno em 70 AD. Não há nenhuma maneira de 25 a 30 anos serem considerados “à mão”. Eu poderia acreditar que dois anos é “na mão”, mas não 25 anos. Essa é a exigência na interpretação preterista, pois alegam que João escreveu Apocalipse menos de cinco anos antes da destruição de Jerusalém!

A frase “porque o tempo está próximo” (Ap 1:3) deve ser tomada no contexto. Jesus diz que aqueles que lerem a profecia e mantê-la são abençoados. A revelação também foi dada para os crentes que seriam perseguidos e para àqueles que veriam sua volta. Para serem capazes de aprender antes dEle retornar, e estudar cuidadosamente as profecias, prestando atenção para os acontecimentos descritos e quando teriam lugar.

O tempo de uma passagem é determinado tendo em conta todos os fatores da mesma passagem. Espero mostrar que esses termos são mais propriamente interpretados como indicadores qualitativos (indicadores não cronológicos) descrevendo como Cristo voltará.  Como é que ele volta?  Será “rapidamente” ou “de repente”.

Sem dúvida, a sobrevivência exegética da posição preterista gira em torno do significado dessas passagens. Quando eles chegam a textos que não parecem  harmonizar com sua opinião, se tomado claramente, eles geralmente revertem a seu “tempo” com relação as passagens, e dizem: “Seja qual for o significado dessa passagem, já estabelecemos que ela cumpriu-se  no primeiro século”. De acordo com essa crença, eles procuram no primeiro século informações para os eventos que compreendem o significado mais próximo apto para a passagem e, geralmente, encaixam o texto bíblico em discussão.

“Rapidamente”: como e quando?

Mateus 24:34, na frase, “esta geração” é a  passagem central usada pelo Preterismo. Sua sobrevivência depende deste detalhe.  Apocalipse se torna importante em suas tentativas de “preterizar” a maior parte da profecia bíblica contida no Livro. Assim, os termos “rapidamente” e “próximo” se tornaram a base para a sua insistência de que o livro do Apocalipse se cumpriu na destruição de 70 dC em Jerusalém.

Vamos prolongar a refutação pesquisando o termo “rapidamente”.

“Uma das pistas mais úteis interpretativa no Apocalipse, dizem os Preteristas, é a expectativa contemporânea do autor sobre o cumprimento da palavra profética”. Afirmam que João claramente esperava para breve o cumprimento de sua profecia.

A forma da palavra grega para “rapidamente” (tachos) é usado oito vezes no Apocalipse (1:1, 2:16, 3:11; 11:14; 22:6; 22:7; 22:12, 22: 20). Tachos faz parte de uma família de palavras relacionadas que podem ser usadas para significar “em breve”, como acreditam os preteristas, ou pode ser usada para significar “rapidamente” ou “de repente”, como afirmam muitos futuristas (maneira pela qual a ação ocorre).

Tachos é atestada na Bíblia como se referindo a ambas as possibilidades.  1 Timóteo 3:14 nos deixa a primeira pista quando diz: “Escrevo-te estas coisas, esperando ir ver-te bem depressa;” Por outro lado, Atos 22:18 é descritivo da maneira pela qual o ação acontece”, E vi aquele que me dizia: Dá-te pressa e sai apressadamente de Jerusalém; porque não receberão o teu testemunho acerca de mim.”

A “interpretação tempo” dos preteristas ensina que a palavra tachos usados no Apocalipse (1:1, 2:16, 3:11; 11:14; 22:06, 7, 12, 20) significa que Cristo veio em julgamento sobre Israel através do exército romano nos eventos em torno do ano 70 dC, a destruição de Jerusalém. Mas como é que a “interpretação” a maneira dos futuristas compreende o uso da família Tachos em Apocalipse? O futurista, John Walvoord explica:

Daniel declarou que aquilo que iria ocorrer “nos últimos dias” é aqui descrito como “em breve” (Gr., en tachei), isto é, “rapidamente, ou de repente“, indicando rapidez de execução após o início do que ocorre. A idéia não é que o evento pode ocorrer em breve, mas que quando isso acontecer, ele será repentino (cf. Lucas 18:08, Atos 12:7; 22:18; 25:4, Rm 16:20). Uma palavra similar, tachys, é traduzida como “rapidamente” sete vezes no Apocalipse (2:5, 16; 3:11; 11:14; 22:07, 12, 20).

Passamos agora a uma análise de como a palavra da família Tachos é usado no Apocalipse.

Suporte para a interpretação futurista

1. 1. O uso lexical. O léxico grego, líder em nossos dias, é Bauer, Arndt e Gingrich (BAG), que lista as seguintes definições para tachos: “velocidade, rapidez e pressa” (p. 814). As duas vezes que este substantivo aparece no Apocalipse (1:1; 22:6), é juntamente com a preposição en, fazendo com que esta frase gramaticalmente passe a funcionar como um advérbio revelando-nos da forma “repentina” em que esses eventos terão lugar. Eles vão ocorrer “rapidamente“.

A outra palavra na família tachos usados no Apocalipse como um advérbio é tachús, que em todas as seis vezes ocorre com o verbo érchomai, “vir” (2:16, 3:11; 11:14; 22:07, 12, 20). BAG dá como seu significado “rápido, rápido, rápido” (p. 814) e, especificamente, classifica os seis usos no Apocalipse como significando “sem demora, rapidamente, ao mesmo tempo” (p. 815). Assim, ao contrário do pressuposto de tempo do preterismo, que tomam todas as ocorrências como uma referência ao tempo, BAG (outros léxicos também concordam) recomenda uma tradução descritiva da maneira em que as coisas vão acontecer (Apoc 2: 16, 3:11; 11:14; 22:07, 12, 20).

Evidente que uma ação rápida pode ocorrer no momento mesmo, como em Mt 28:7-8: “Ide depressa e dizei aos seus discípulos e eles partiram rapidamente do sepulcro…”, mas o pensamento não é que eles demoraram, ou esperaram algo para ir, mas que seu movimento foi rápido.  Se o Senhor fala sobre este contexto de Apocalipse nos dias em que João viveu então Ele não quis dizer que Ele estava voltando em breve, mas rapidamente e de repente sempre que o tempo, o fim dos tempos, exige sua chegada; é a rapidez do seu movimento que enfatiza a palavra.

Estes termos não são descritivos de quando os eventos ocorrem e nosso Senhor virá, mas sim, descritivo da forma em que terá lugar quando eles ocorrem. Este tipo de frase adverbial em Apocalipse pode de forma mais precisa ser traduzida como “com rapidez, de forma rápida, de uma só vez, em um ritmo rápido [quando ocorre].”

Detalhe esquecido pelo Preterismo

Se João começou a escrever Apocalipse na década de 60, pós 62 até 66, como afirmam os preteristas, os crentes tinham menos de quatro anos para estudar todo o livro. Levou tempo para que o manuscrito ficasse pronto, e mais tempo ainda levaram as cópias que foram enviadas as sete Igrejas, que deveriam ser distribuídas por todo o Império Romano. Concluímos então que a maioria dos cristãos da época nem chegaram a ler o Apocalipse. Os que tiveram a sorte de ler e estudar o fizeram em pouquíssimo tempo. Portanto, menos de quatro anos não é tempo suficiente para alguém, ou uma congregação inteira, ser capaz de compreender as profecias contidas no Livro, a menos que estudassem oito horas por dia. Outro detalhe que destrói totalmente a alegação preterista, é que o Apóstolo João escreveu a sete Igrejas na Ásia, mas nunca enviou sequer uma carta a congregação em Jerusalém. Esse é o maior furo preterista: Segundo eles João escrevia sobre a destruição de Jerusalém, alertando sobre o que ocorreria, mas não enviou sequer uma carta à Igreja da cidade santa.

É ilógico que se pense que Jesus deu esta revelação de vital importância menos de quatro anos antes de seu retorno. Não é tempo suficiente para os crentes estudá-la e ter uma compreensão significativa do mesmo, especialmente porque a grande maioria dos crentes nunca o leu. Os escritos do Novo Testamento levaram vários anos para serem distribuídos por todo o Império Romano. O Senhor Jesus não iria esperar até poucos anos antes de seu retorno para dar esta revelação.

O Preterismo não serve a nenhum propósito útil para os preteristas hoje, exceto para refutar os futuristas. Isso é um desperdício colossal de tempo. Os preteristas deveriam dedicar todo seu tempo para compartilhar o Evangelho com os perdidos, não tentando converter futuristas, historicistas e outros à sua doutrina. A sua falsa doutrina não pode edificar ninguém. Ela só pode confundir e dificultar a propagação do Evangelho e causar dissensão dentro do corpo de Cristo (Gl 5:20).

O Senhor Deus de Israel ditou profecias através de Seus profetas que não foram cumpridas por várias centenas de anos. Por que ele iria mudar esse padrão na dispensação do Novo Testamento e lançar profecias que foram cumpridas em questão de algumas décadas e, no caso do livro de Apocalipse, em menos de quatro anos? Não faz sentido e é contrário à sua natureza padrão, e não está de acordo com a declaração de que ele nunca muda (Heb 13:8).

Os discípulos de Jesus não viram seu retorno

Outra prova irrefutável de que a doutrina preterista está errada é a afirmação clara de Jesus  aos discípulos de  que eles não iriam ver seu retorno físico,

 “E disse aos discípulos: Dias virão em que desejareis ver um dos dias do Filho do homem, e não o vereis.” (Lc 17:22). É por isso que Ele lhes disse para não se preocupar com seu retorno, quando pediu-lhe para dizer-lhes quando Ele voltaria (Atos 1:6,7).

Outra declaração em Atos 1 que deixa subentendido que sua aparição novamente a eles ocorreria apenas no fim dos tempos.

9          “… [ Jesus ]…  foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos.

10        E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco.

11        Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir”.

E por fim, a clássica declaração em Lucas.

Luc 13:35 –     Eis que a vossa casa se vos deixará deserta. E em verdade vos digo que não me vereis até que venha o tempo em que digais: Bendito aquele que vem em nome do Senhor.

Nada disso ocorreu em 70 dC!

Exemplos no Antigo Testamento

É importante notar  as passagens que até mesmo por  estimativas mais conservadoras, não poderiam ter ocorrido durante centenas, até milhares de anos depois de previstas. Por exemplo, Isaías 13:22 diz: “… pois bem perto já vem chegando o seu tempo, e os seus dias não se prolongarão…”. Isto foi escrito por volta de 700 aC, predizendo a destruição de Babilônia, que ocorreu em 539 aC. Da mesma forma, Isaías 5:26 fala da forma, e não o período de tempo, pelo qual a invasão assíria de Israel “virá com velocidade rápida.” Isaías 51:5 diz: “Perto está a minha justiça, vem saindo a minha salvação, e os meus braços julgarão os povos; as ilhas me aguardarão, e no meu braço esperarão.” Esta passagem, provavelmente, será cumprida no milênio, mas nenhum intérprete ousaria colocá-la mais cedo do que primeira vinda de Cristo, pelo menos, 700 anos depois de ter sido dada. Isaías 58:8 fala da recuperação de Israel como acontecendo “rapidamente”, Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do Senhor será a tua retaguarda.  Se for uma “passagem de tempo”, então o mais antigo que poderia ter acontecido é 700 anos mais tarde, mas a bem da verdade, é que a previsão ainda ocorrerá. Muitas outras citações no Velho Testamento podem ser  reunidas para dar apoio a interpretação futurista em Apocalipse.

Detalhes que atrapalham o Preterismo

Temos varios textos em Apocalipse sugerindo que Jesus voltaria breve

Eis que venho sem demora”  (3:11).

Eis que venho sem demora” (22:7).

Eis que venho sem demora” (22:12).

Jesus disse: “Eu estou voltando brevemente

Sim ou não?

Jesus voltando breve, como foi dito por João, significa que tomaria um tempo de mais de dois milênios, pois ele ainda não voltou. Muitos preteristas concordam que Jesus ainda não voltou. Por que então as coisas que em BREVE devem acontecer significar que João escrevia sobre a destruição de Jerusalém que estava as portas?

REVELAÇÃO de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo, Apoc 1:1

Mas o preterista continua:.” Os eventos registrados aqui no Livro do Apocalipse tinham que ter sido cumpridos brevemente, dentro de uma geração da morte de Cristo.

Estava Jesus dizendo que Ele voltaria rapidamente, como em breve, alguns poucos anos depois que João escreveu essas  palavras? A maioria preterista vai alegar que nao, mas continuarao alardeando que o breve do verso 1, capitulo 1 de Apocalipse, deve signiicar que a destruicao de Jerusalem era para breve, pois assim Joao resgistrou.

Portanto, estabelecer a data anterior a 70 dC para a escrita e cumprimento de quase vinte capítulos do livro de Apocalipse, firmando-se em Apocalipse 1:1,  concluindo que João registrou os acontecimentos que em breve viriam sobre Jerusalém, colocam problemas consideráveis grandes no caminho do intérprete preterista.

E mais ainda, o pior nisso tudo é que o preterista parcial ainda quer manter no futuro os contextos de Apocalipse capítulos 19,20 e 21,  os quais,  para sua interpretação confusa ter êxito, não deveriam estar localizados antes do capítulo 22:6, 7, 10, 12, 20).  Quando o  preterista é confrontado com tais versículos eles começam a suar frio, mas mesmo assim  fazem vista grossa diante de uma passagem extremamente prejudicial ao seu sistema herético. Provavelmente ainda não perceberam que são obrigados a reconhecer que o Segundo Advento de Cristo e o julgamento final já ocorreram, o que estaria em total desacordo com tudo que o cristianismo ensinou ate a presente data.

Veja o leitor que o texto temporal, o qual exige o breve para logo, é também encontrado no final do Livro de Apocalipse (Ap 22:6, 7, 10, 12, 20), o que logicamente conduz à conclusão de que todo o Livro  foi cumprido em 70 dC.

 “E ele me disse:” Estas palavras são fiéis e verdadeiras”, e do Senhor, o Deus dos espíritos dos profetas, enviou o seu anjo para mostrar aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer.”

Esta passagem está localizada no fim do Livro,  exatamente após a destruição da Jerusalém Babilônia (Ap 18), e ainda se diz  sobre coisas que em breve devem ocorrer. No entanto, o jeitinho preterista, da linha menos radical, usa Apocalipse 20:7-9  como referência para a segunda vinda de Jesus, que ainda ocorrerá no futuro. Como entender agora quando exigem que o “em breve” no inicio do Livro venha tratar da destruição de Jerusalém que seria breve, mas quando esbarram no breve aqui eles estendem o cumprimento para milênios a frente?

Isso cria uma contradição tão medonha dentro da marca preterista que seria bem melhor se nem tivessem tocado em Apocalipse 1.1. Uma vez que  22:6 é uma afirmação referindo-se a todo o livro de Apocalipse, seria impossível tomar breve  como uma referência para o ano 70 dC  e ao mesmo tempo sustentar que o breve de Apocalipse 1:1 ensina que a queda de Jerusalém estava para acontecer em breve. O  preterismo precisa aqui, urgente, adotar uma visão semelhante ao futurismo ou mudar totalmente para a visão preterista extrema, que compreende todo o livro de Apocalipse como a história do passado eliminando assim qualquer interpretação para uma segunda vinda futura, a ressurreição, julgamento do grande trono branco e punição de Satanás, como também do milênio…

Preteristas, até breve…

O engano Preterista de Mateus 24

POR QUE o período da Tribulação não ocorreu em 70 AD?

Muitos eventos profetizados por Jesus para acontecer quando ele voltar nunca tiveram lugar em 70 DC.  Aqui estão alguns que nunca poderiam ter acontecido até os tempos modernos. A maioria dos listados abaixo foram preditos por Jesus como eventos que acontecem no momento certo do Seu retorno.

Dentro de Mateus 24

14 E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.

Só desde o advento da comunicação de satélites isto está sendo possível. O “Sputnik”, o primeiro satélite, foi lançado em tempos recentes,  4 de  outubro de 1957.

21 Porque haverá então grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora – e nunca a ser igualado novamente.

A angústia mais terrível que o mundo tem visto até agora vieram mais de 1.830 anos depois de 70 AD – no tempo que o mundo presencia nestes nossos dias a realização dos eventos que Jesus profetizou: O Holocausto, o programa russo, e os milhões que morreram sob o regime de Mao Tse-tung, as Cruzadas e a Inquisição Espanhola. A Peste Negra foi terrível, e muitos mais morreram na Segunda Guerra Mundial, sem contar outras catástrofes do nosso século.

Por que o preterista insiste que os eventos mais terríveis da história estão no passado? E Jesus disse que a Tribulação que Ele estava profetizando seria inigualável; isto certamente não fazia referência as tribulações que sobrevieram a Jerusalém em 70 dC…  Não aconteceu ainda na década de 1930 e 40. Mas isso vai acontecer durante o período de tempo da geração que começou em 1948, quando Israel se tornou uma nação. Jesus vai voltar nessa geração agora viva. Provavelmente logo após o único sinal  pré-requisito restante venha a acontecer.

Outros sinais que nunca ocorreram

Mateus 24

Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino. Haverá fomes e terremotos em vários lugares.

Todas essas coisas são o princípio das dores.

22 Se aqueles dias não fossem abreviados, ninguém sobreviveria, mas por causa dos escolhidos, tais dias serão abreviados.

27 Pois assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até o ocidente, assim será também a vinda do Filho do Homem.

29 Logo depois da tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, as estrelas cairão do céu, e os corpos celestes serão abaladas.

30 Naquela ocasião, o sinal do Filho do Homem aparecerá no céu, e todos os povos da terra se lamentarão. Eles verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.

31 E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os escolhidos desde os quatro ventos, de uma extremidade do céu para o outro.

Nações (ou grupos étnicos) levantam-se uns contra os outros rotineiramente nestes dias, e há uma fome única acontecendo em Darfur. E geralmente  terremotos de magnitude seis na escala Richter são frequentes. Isso aponta para um retorno iminente de Cristo.

A declaração-chave que Jesus fez, “dores de parto”, não foi por acaso. Dores de parto são caracterizadas por dor crescente, frequentes à medida que progridem. Torna-se consciente, dentro deste contexto de Mateus 24, a progressão, seguida de intensidade frequente das catástrofes naturais quando eles começam, provavelmente pode ser um último aviso para aqueles que estão conscientes do significado dessa frase.

O problema maior nisso tudo é que neste cenário explícito de desgraças parece que nada foi notado por quase ninguém da ala preterista. Eles se conformaram tão bem a esse padrão que tudo que acontece ao seu redor é classificado de normal.  E parece não haver nenhuma razão para fazer os preteristas acreditarem se catástrofes podem acontecer de novo. Talvez não estejam cientes do que Jesus profetizou.

Mateus 24:37-44

“E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem. Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro; Estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra. Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor. Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis”.  

Por que semelhanças aos dias anteriores ao dilúvio estão reservadas para os últimos dias se não mais haverá tribulação nenhuma neste tempo segundo os preteristas? Ora, os dias de Noé se encerraram com uma grande catástrofe.

Muitas pessoas cometem o erro de pensar que a referência de Jesus à situação que está sendo descrita nos dias de Noé foi uma condenação do Senhor pelos pecados que prevaleceu naquela época. Ao fazer isso, eles perdem o ponto real do que Jesus estava falando.

Jesus estava descrevendo a normalidade que prevaleceu antes do dilúvio. As pessoas que viviam naquela época, simplesmente estavam fazendo as coisas normais que as pessoas sempre fazem, tais como comer, beber e se casar, até o dia em que Noé embarcou na arca, ao invés de prestar atenção no aviso de Noé, e se preparar para o desastre iminente.  Como resultado, o dilúvio veio sobre eles na forma de um ladrão na noite e pegou todos de surpresa. Assim  vai acontecer com as pessoas na ocasião da volta do Senhor. Apenas um pequeno número perceberá os sinais que Jesus predisse, tomando nota da sua progressão e significado.  Afinal, ao contrário do que o preterismo anuncia, que as catástrofes e tribulações já ocorreram na Jerusalém de 70 dC, coisas realmente importantes estão acontecendo, e são dignas de atenção.    Não há razão para pensar que o Arrebatamento e a Tribulação não sejam coisas reais!

Olhe para trás na parte superior deste artigo, em Mateus 24:33-34, e lembre-se que a geração vivendo em nossos dias é a única que ainda vai  ver na terra os sinais do fim dos tempos. A geração específica pode estar enquadrada pelo nascimento de Israel em 1948  como uma nação (ou, possivelmente, a unificação em 1967 de Jerusalém como uma cidade totalmente israelense).

Mas esse não é o único indicador. Há ainda mais um problema enorme para ser lançado no caminho do preterismo, ele está em Lucas 21:28,

“E quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção se aproxima”.

Os preterismo alardeia aos quatro cantos do planeta que o discurso de Jesus em Mateus 24, associado a esta passagem, fazem alusão ao que precederia a destruição de Jerusalém até a invasão romana que devastaria a cidade santa.

Não vou muito longe não, mas vou fazer o que o preterismo odeia, perguntar novamente insistindo no mesmo detalhe:

Se a iminente destruição estava a caminho, por que Jesus  lhes falava em redenção? Por que nosso Senhor falava em  preservar a vida dos crentes judeus se estava para vir sobre eles uma imensa catástrofe?

Afinal de contas, o que aconteceu com Jerusalém, ela foi protegida da destruição predita em Mateus 24 ou foi entregue as forças romanas?

Na verdade, em 70 dC, o Império Romano destruiu o templo de Israel, matando mais de um milhão de judeus no processo, e espalhamento aqueles que permaneceram. Este foi o cumprimento de Lucas 21:24, quando Jesus profetizou a destruição do templo, bem como a dispersão de Israel quando disse: “E cairão ao fio da espada e serão levados cativos para todas as nações : e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem”.

Jesus mentiu para os judeus quando citou essas palavras em Mateus 24?

“E ele enviará os seus anjos com uma grande trombeta e eles reunirão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma extremidade do céu para o outro”.

“E quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção se aproxima”.

Quem neste vasto planeta poderia acreditar que Mateus 24, todo o capítulo, é um cumprimento da destruição de Jerusalém? O Preterismo acredita, e pior, ainda insistem diante desses registros citados acima, mesmo que esses registros prometam livramento aos judeus. Os preteristas   não se importam de cair no ridículo, o que importa é a preservação de suas heresias.

Jesus jamais poderia estar fazendo previsões sobre a destruição do povo judeu e da cidade santa quando dizia que a “redenção deste povo estava próxima, que reuniria seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma extremidade do céu para a outra”.

Logicamente ele falava de algo que ainda não ocorreu, que não cumpriu-se no tempo da destruição total de Jerusalém.

O Templo e as duas Testemunhas

Muitos preteristas afirmam que há uma razão principal no Apocalipse provando que a redação de todo o Livro estava pronta antes de 70 dC. Eles argumentam que desde que João se refere a um templo em Jerusalém (Ap 11:1-2), então este deve ter estado de pé no momento da escrita. Se ainda está de pé, concluem então que o Apocalipse foi redigido antes da destruição do templo em 70 dC.

O Templo em Apocalipse 11

A João é ordenado pelo anjo que o acompanha durante a visão: “mede o templo” (Ap 11:1). Ezequiel, durante uma visão semelhante de um templo (Ez 40-48) foi-lhe ordenado também que o medisse. No entanto, nessa ocasião nem havia um templo em Jerusalém.

Ezequiel viu um templo em suas visões proféticas, mas suas visões ocorrem durante os anos de cativeiro babilônico, após o templo de Salomão ter sido destruído por Nabucodonosor. Muitos dos que retornaram após o cativeiro de 70 anos para reconstruir o templo nunca tinham visto o templo de Salomão, ou observados seus rituais. Sua familiaridade com o templo foi baseada unicamente na Torá e pergaminhos como Ezequiel e Daniel.

A João foi dito em sua visão para “medir o Templo e os que nele adoram”; isso não aparenta nenhuma indicação de que o templo ainda estava de pé em Jerusalém.

Esta visão profética é claramente paralela a visão de Ezequiel. Ezequiel recebeu sua visão durante o cativeiro da Babilônia, quatorze anos após Nabucodonosor saquear Jerusalém e destruir o templo. No entanto, em sua visão, Ezequiel foi levado para Jerusalém, onde lhe foi mostrado um templo glorioso muito maior do que o templo de Salomão, e passou ele a gravar todas as medições deste templo em grande detalhe.

João viu a sua visão profética do templo durante o reinado de Domiciano (AD 81-96). Nós não sabemos exatamente quando, durante seu reinado, ele foi exilado, nem quanto tempo antes de sua libertação ele escreveu Apocalipse, ou se foi depois. Mas, o período de tempo possível cobre qualquer coisa entre 20-25 anos após a destruição do templo por Tito.

Para aqueles que gostariam de interpretar as visões literalmente, também acharão recursos para isso. Se a visão do templo de Ezequiel foi claramente destinada a indicar um futuro templo reconstruído, logo, segundo muitos, a visão de João sobre o templo de Jerusalém deve ser visto da mesma maneira, sendo uma indicação de que um templo será realmente reconstruído em Jerusalém antes da Vinda do Senhor, como muitos estudiosos da escatologia afirmam. Eu tenho minhas dúvidas.

Contrariamente à alegação de que a visão de João indicava que o templo de Herodes ainda estava de pé, basta comparar com o relato paralelo em Ezequiel, onde parece óbvio que as profecias de medir o templo por João foram dadas a ele pouco depois do templo de Jerusalém haver sido destruído. O primeiro nos dias de Ezequiel por Nabucodonosor e os babilônios, e o segundo nos dias de João por Tito e os romanos.

Assim, não há sentido algum na interpretação preterista, que só porque um templo é referenciado em Apocalipse 11, deva implicar que o Templo construído por Herodes estivesse totalmente em pé com toda sua glória.

Daniel também faz referência a um templo (Daniel 8:11-14; 9:27; 11:31: 12:11), no entanto, como foi visto, a informação cronológica revelada nestes livros leva à conclusão de que esses profetas, do exílio, tiveram suas visões durante uma época em que não havia nenhum templo construído.

Mesmo diante de todas as evidências contrárias a sua interpretação, o preterista tem a visão deste templo como sendo o segundo templo de Herodes, que teria estado em pé nos dias da escrita apocalíptica de João.

Outro detalhe é que o exército romano avançou sobre Jerusalém de leste a oeste. A cidade caiu após um cerco prolongado. O general Tito não colocou uma “abominação da desolação” (Mt 24:15) no templo. Ao contrário, ele destruiu o templo o queimando até o chão. Logo, a referência de Jesus não se cumpriu em 70 dC. Porém, há algo curioso no contexto de Apocalipse 11; a João foi ordenado tirar uma vara de medição, e fora da Jerusalém literal, medir o templo e o altar e os que nele adoram. Na medição do templo e do altar, João deixa de fora o pátio do templo, e não o mede, pois ele foi dado aos gentios para ser pisado. Como poderia ainda, em fins de 90 dC, haver um altar, seus adoradores e o pátio do Templo? Veja meu artigo Contradições do Preterismo – parte IV, o ítem 3: O Templo havia sido Destruído (Ap 11:1,2) e encontre a resposta.

As Duas Testemunhas

O atropelamento da cidade por 42 meses por vezes tem sido correlacionada com a queda de Jerusalém em 70 dC. No entanto, um olhar mais atento observa claramente que os acontecimentos não correspondem aos detalhes. E nada do que sabemos sobre a queda de Jerusalém corresponde exatamente ao das duas testemunhas. Em vez disso, 11:1-14 mostram uma representação geral visionária do testemunho da Igreja e da preservação de Deus e reivindicação das testemunhas. As duas testemunhas podem bem ser dois candeeiros (v. 4), ou seja, duas igrejas (1:20).

E pasmem, acreditem se quiserem, há até quem afirme que essas testemunhas, mortas e não sepultadas, expostas na praça da Grande Cidade – clique aqui > são o Velho e o Novo Testamentos, que quando eliminados pela besta que sobe do abismo provocou uma comemoração de âmbito mundial, pois os que habitam sobre a terra, de tão contentes e satisfeitos que ficaram com o extermínio dessas duas potentes testemunhas, enviaram presentes uns aos outros, Apoc 11:9,10. Aqui há outra fonte sobre o assunto, “Searching for the two witnesses

Alguns intérpretes acham que literalmente dois seres humanos individuais estão à vista: ou dois profetas cristãos que foram martirizados pouco antes da queda de Jerusalém, ou dois profetas que devem aparecer um pouco antes da Segunda Vinda. Mas de acordo com Apocalipse como um todo, encontramos aqui uma visão simbólica do testemunho cristão. As duas testemunhas são dois candeeiros (v. 4 – candeeiros emitem luz), indicando que eles são figuras simbólicas de pé por causa do testemunho do candelabro, as igrejas de 1:20.

Outros intérpretes entendem que o templo pode representar a presença de Deus na Terra, especialmente através de seu povo. Medição significaria conhecimento e cuidado de Deus (cf. Ez. 40-41). O altar e aqueles que adoram ali representariam os verdadeiros adoradores de Deus, que são selados e protegidos (cf. 7:1-17). A destruição do pátio exterior representaria o ataque dos forasteiros no povo de Deus. Alguns afirmam que o templo de Apocalipse 11:1 é o templo celestial, apesar de alguns entenderem que o templo simboliza a verdadeira igreja cristã.

Existe inúmeras interpretações para o templo de Apocalipse 11, mas poucas são convincentes.

Por que João, e não Paulo?

Os preteristas afirmam  que João foi exilado  na ilha de Patmos na década de 60, e ali recebeu as revelações do Apocalipse, redigindo cartas para as sete Igrejas da Ásia não mais tarde do que 63 dC. Seguindo essa cronologia preterista, deve-se concluir que  João redigiu estas pequenas epístolas enquanto o Apóstolo Paulo ainda estava vivo, o qual também escreveu para duas Igrejas, à Igreja de Éfeso e Laodicéia (Col 4:16).

Paulo era prisioneiro do império Romano em 60 dC, mesma área onde se encontravam as sete Igrejas  descritas em Apocalipse. Se ele escrevia para algumas dessas  Igrejas, por que Deus levantaria João para fazer o mesmo, escrever e enviar cartas  para congregações que estavam sob inspeção de Paulo?

A verdade pode ser outra; João não pôde ter tomado a responsabilidade sobre as Igrejas da Ásia Menor perto do fim da perseguição de Nero. Algumas delas foram plantadas principalmente por Paulo e estavam sob seu cuidado especial e inspeção pouquíssimos anos antes da destruição de Jerusalém. Ele costumava visitá-las, e depois de sua prisão ele escreveu cartas para algumas dessas igrejas com freqüência. Paulo mantinha uma comunicação constante com elas ainda, e em nenhuma de suas cartas, até o passado, nós encontramos qualquer menção de João ou qualquer referência a ele como residente nessas imediações, ou envolvido no ministério dessas congregações.

Foi provavelmente o martírio do apóstolo dos gentios,  e os perigos e distrações, que levou João a dar este passo importante e construir sua estrutura sobre as bases estabelecidas por Paulo. Após o martírio de Paulo, é provável que João foi chamado por boa parte das Igrejas para dar continuidade à sua obra. E devemos considerar também, que apesar dos erros gnósticos terem começado a mostrar-se no tempo de Paulo, eles só haviam sido organizados sob heresiarcas antes do fim do primeiro século. Por isso ouvimos dos nicolaítas, uma facção de gnósticos em duas das mensagens as Igrejas da Ásia (Ap 2:6,15). Perto do final do primeiro século, e não antes, os líderes gnósticos começaram o trabalho de mutilar os livros sagrados dos cristãos.

Estas  Igrejas estavam em uma condição muito diferente quando o Apocalipse foi escrito do que eram na época de Nero e de Paulo. A Igreja de Éfeso tinha “perdido o seu primeiro amor.” A Igreja de Esmirna tinha na sua comunhão aqueles que pertenciam à “sinagoga de Satanás”. A Igreja de Pérgamo abrigava não só os nicolaítas, mas aqueles que realizavam “a doutrina de Balaão, que ensinou Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel.” A Igreja de Tiatira tinha “a mulher Jezabel” que ensinava e seduzia seus membros a se prostituírem e a comerem das coisas sacrificadas aos ídolos. A Igreja de Sardes apenas deixou “alguns nomes” que não contaminaram as suas vestes, enquanto os membros da Igreja de Laodicéia tornaram-se tão mornos e ofensivos para Cristo, que Ele “estava a ponto de vomitá-los”.

Em suma, todas estas Igrejas caíram do estado que estavam quando Paulo escreveu suas epístolas para algumas delas. Isso exige um tempo consideravelmente longo para sua deserção. Se supomos que o Apocalipse foi escrito sob a perseguição de Nero, apenas alguns anos após a escrita das epístolas de Paulo, devemos considerar que algumas Igrejas nem ao menos sobreviveram em pé por três anos. Mas se o livro foi escrito 30 anos depois, na perseguição de Domiciano, o declínio pode ser explicado.

Por que não Paulo, mas sim João?

Se admitirmos que Apocalipse foi redigido antes da queda de Jerusalém, então, obviamente, as cartas endereçadas para as congregações da Ásia foram escritas na  época em que o Apóstolo Paulo ainda era vivo. Ou melhor: se Jerusalém foi destruída entre 68 e 70 dC, e, em sendo Apocalipse – segundo os preteristas – um Livro que trata da queda de Jerusalém, conclui-se  que João o fechou antes de 70 dC, o que nos permite estabelecer uma data   retroativa para a redação das sete cartas, algo entre 62 e 64, época em que Paulo ainda estava ativo no ministério da pregação e redação da Palavra, o que significa dizer que Paulo escrevia partes do Novo Testamento nessa ocasião.

Isso faz nascer a pergunta: Por que Jesus não elegeu Paulo para escrever as sete Igrejas, já que da prisão em Roma ele  teve toda liberdade possível na preparação e envio de algumas epístolas endereçadas a cristãos nominais e algumas congregações,  mas sim elegeu  João, com toda a dificuldade possível ao seu redor, exilado numa Ilha do mediterrâneo?

Insisto: Por que Deus não usou  Paulo para escrever as sete cartas, já que ele encontrava-se preso na região do império romano onde se localizavam as sete Igrejas?

A contradição é grave. Paulo não teve dificuldade alguma para redigir e enviar algumas cartas do seu cativeiro em Roma: Filêmon, Filipenses, Colossenses, Efésios, 1 e 2 Timóteo e Hebreus. Curiosamente ele encoraja os de Laodicéia a ler a carta enviada aos Colosensses (Col 4:16). Portanto, vemos duas cartas de Paulo para duas Igrejas que aparecem em Apocalipse, a de Éfeso e a de Laodicéia. Porque teriamos dois Apóstolos escrevendo as mesmas Igrejas na mesma época? O silêncio com relação a João  escrevendo cartas para as Igrejas da Ásia no início de 60 dC é enorme. Não há necessidade de palavras, ele pode ser sentido.

Seria mais simples desfazer todo esse engano preterista se aceitassem a verdade óbvia:  que na ocasião da redação das sete cartas, dos Apóstolos originais, apenas João permanecia com vida. Ele  foi levantado para despertar as Igrejas inauguradas por Paulo.

Uma Mina de trabalhos forçados

Patmos era uma mina de pedreiras pertencente ao Império Romano, e foi o lar de muitos presos políticos e religiosos ou escravos. João, o apóstolo amado, estava sendo mantido como prisioneiro de Roma nesta ilha por causa da sua pregação incessante sobre Jesus. Roma acreditava que banir o velho João para a ilha remota e abandonada silenciaria a sua voz. Ele foi ali exilado por que o imperador Domiciano ficou irritado com o fato de João não ter sido morto quando foi mergulhado em óleo fervente.

Aprendemos que nesta ilha João escreveu o Livro de Apocalipse registrando tudo que viu. Concernente às cartas redigidas para as Igrejas da Ásia, a situação fica mais delicada; considerando que estas epístolas deveriam chegar para todas as sete congregações antes da queda de Jerusalém precisamos visualizar João apressando-se no preparo da escrita. Podemos visualizar o Apóstolo acompanhado as revelações e visões que recebia seguindo dos registros em papiro –  ele deveria correr com estes  registros e correr mais ainda para tirar estas cartas da ilha fazendo-as chegar ao seu destino. Acredita o leitor que foi desta maneira? Leia meu artigo Onde João Estava?

O seguinte foi dito ao Apóstolo João: “o que vês, escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas que estão na Ásia” (Ap. 1:11). Esse versículo indica que o texto original escrito de Apocalipse foi enviado a cada uma das sete igrejas onde ele poderia ter sido copiado por um escriba. Quando a cópia era finalizada numa igreja, o original era enviado para a próxima igreja, até que todas as sete tivessem recebido e copiado o livro revelado. Quanto tempo levou isso tudo? Para os preteristas ocorreu em  tempo recorde; já que  João ficou na prisão – segundo eles – na década de 60, com Jerusalém  prevista para ser destruída dentro de poucos anos, devemos considerar que ele correu com os registros das suas visões depois de receber do Senhor o recado que deveria passar para as comunidades cristãs na Ásia menor.

O leitor consegue imaginar como alguém que foi preso nesta mina de pedras por causa do seu testemunho por Cristo, que foi enviado para aquela região justamente para ficar longe do público ouvinte do Evangelho, teve plena liberdade de redigir sete epístolas às Igrejas e ainda por cima ter alguém para tirá-las da ilha enviando-as para  comunidades cristãs distantes,  diretamente para as regiões onde se encontrava preso o Apostolo Paulo?

Interessante que se seguimos a cronologia preterista devemos admitir que os Efésios receberam duas cartas praticamente ao mesmo tempo, uma de Paulo onde ele os elogiava, dizendo: “… noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor” (Ef 5:8), e outra de João, lhes alertando para que voltassem ao primeiro amor, porque o Senhor estava prestes a remover brevemente o seu candeeiro (Apoc 2:1-5).

Temos aqui mais uma flagrante contradição. Um diz que a Igreja – agora, tempo presente da escrita – é Luz no Senhor, mas o outro alega que a luz vai ser removida. Observe que Paulo os elogia enquanto João os adverte sobre a  falta de amor. Ou seja: “ereis trevas, mas agora sois luz no Senhor”, não tem porque  receber de repente uma ameaça de apagão. Ninguém que é louvado por ser luz poderia ao mesmo tempo ser  ameaçado de ter seu candeeiro removido. Evidente que um escrevia para Éfeso na década de 60, mas o outro, João, lhes escrevia quase quatro décadas depois. Fica evidente que os dois Apóstolos redigiam seus registros em épocas distantes uma da outra, e que João foi brindado com as revelações por que era o último dos discípulos vivos.

João não estava em Patmos na década de 60 dC

O Apóstolo Paulo em várias ocasiões menciona suas cadeias, mas em nenhum momento lembra-se do discípulo amado   exilado numa ilha na mesma época que esteve preso em Roma.

Efe 3:1 –  POR esta causa eu, Paulo, sou o prisioneiro de Jesus Cristo por vós, os gentios.

2 Ti 1:8 –  Portanto, não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro seu; antes participa das aflições do evangelho segundo o poder de Deus.

Flm 1 –  PAULO, prisioneiro de Jesus Cristo, e o irmão Timóteo, ao amado Filemom, nosso cooperador.

Flm 9 –  Todavia peço-te antes por amor, sendo eu tal como sou, Paulo o velho, e também agora prisioneiro de Jesus Cristo.

Paulo  fala dos cristãos encarcerados, e isso já em 62 dC, oito anos apenas antes da destruição de Jerusalém.  Escrevendo aos hebreus, Paulo  os alerta para que se lembrem dos prisioneiros em Cristo, e nem mesmo menciona João, o encarcerado…

Heb 13:3 –  Lembrai-vos dos presos, como se estivésseis presos com eles, e dos maltratados, como sendo-o vós mesmos também no corpo.

Lucas nos brinda com detalhes importantíssimos sobre a prisão de Paulo, onde, quando e por que aconteceu. No entanto, nada foi dito sobre a prisão de João nesta época, que como coluna da Igreja em Jerusalém, se realmente estava em Patmos lá pelos idos de 60 e 70 dC, certamente teria sua situação anunciada por alguma testemunha ocular que viveu junto dos Apóstolos. Por exemplo, a prisão de João Batista foi conhecida de, praticamente, toda a Judeia. A prisão de Paulo ficou conhecida até dos que não faziam parte da Igreja, como também chegou ao conhecimento de muitos outros,

Fl 1:13 – De maneira que as minhas prisões em Cristo foram manifestas por toda a guarda pretoriana, e por todos os demais lugares.

Se é a prisão de Pedro, outra coluna da Igreja em Jerusalém, mobilizou cristãos a tal ponto deles se reunirem em oração pelo livramento do Apostolo (Atos 12:10-15).

E a Prisão de João, também coluna  da Igreja em Jerusalém?  Se João ficou mesmo recluso em Patmos nessa ocasião, certamente teriamos algum registro feito pelos escritores autorizados – eles eram muitos. Por exemplo, Paulo mesmo lembra aos leitores Colossenses até daqueles que estavam presos com ele.

Col 4:10 –  Aristarco, que está preso comigo, vos saúda, e Marcos, o sobrinho de Barnabé, acerca do qual já recebestes mandamentos; se ele for ter convosco, recebei-o.

Aliás, para desespero do catolicismo, Paulo nem mesmo menciona Pedro, o qual a tradição alega que esteve preso com ele em Roma, mas de um desconhecido chamado Aristarco ele não esqueceu…

Qual escritor neo testamentário deixaria de registrar o tão estupendo milagre de João sair ileso do óleo fervente e ser por isso exilado numa ilha deserta se tal  aconteceu antes da destruição de Jerusalém? Considerando que dez dos Apóstolos originais ainda viviam nessa ocasião, além dos escritores Paulo, Marcos e Lucas, também estarem vivos, fica simplesmente inexplicável  a falta de registros sobre o  exílio  de João, o discípulo amado de Jesus e uma das colunas da Igreja em Jerusalém.

A Deus toda glória

 

Carta à Igreja de Pérgamo

PergamoMais uma evidência contra a tese de que Apocalipse foi escrito antes de 70 dC é a igreja em Pérgamo. O único livro do Novo Testamento que cita a cidade ou a igreja em Pérgamo é o Apocalipse.

Apo 2:13 – Conheço as tuas obras, e onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; e reténs o meu nome, e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita.

“… Conheço o lugar em que habitas, onde está o trono de Satanás”: Pérgamo foi o local de um templo dedicado a Roma e Augusto (idolatria oficial do governo romano). Isso só ocorreu após 80 dC; mais tarde foram erigidos outros templos para a honra dos imperadores Trajano e Severo. Além desses templos para o culto imperial, o povo de Pérgamo adorava outros “deuses”, tais como Zeus, Atena, Dionísio e Asclépio. Encontramos em Pérgamo uma mistura dos poderes do mal – religiões falsas e o poder oficial do governo romano. Enquanto seus vizinhos sacrificavam aos demônios (veja 1 Coríntios 10:19-20), os discípulos de Cristo reconheciam o único Deus como Senhor.

O versículo fala de Antipas, fiel testemunha martirizada em Pérgamo. Ele existiu! Antipas morreu após 80 dC. Se o versículo faz referência a morte de Antipas, certamente foi escrito após 80 dC.

O detalhe sugere que a morte deste havia ocorrido num tempo no passado:

“… ainda nos dias de Antipas… o qual foi morto entre vós!”

Quem foi esse Antipas que nunca ouvimos falar nos tempos dos apóstolos vivos? Aqui é dito que ele já havia sido martirizado. O texto sugere algo distante, “… Ainda nos dias de Antipas…”. Se a carta foi escrita na década de 60 dC, como afirmam os preteristas, e Antipas foi martirizado antes disso, deveria haver algum registro de sua morte, o que nos possibilitaria crer que Antipas foi bem  conhecido na Igreja primitiva e conhecido entre os apóstolos. Se nos baseamos na cronologia preterista que recua a redação do Livro de Apocalipse para os anos 60 dC, então devemos localizar o martírio de Antipas dentro da época de ouro dos Apóstolos do Senhor. No entanto, quem dentre eles citou Antipas?

Segundo a história Antipas foi martirizado após 80 dC

“O Santo e glorioso mártir Antipas foi contemporâneo dos apóstolos que o tinham posto à frente da Igreja de Pérgamo. Na época da perseguição de Domiciano (c. 83), mesmo já sendo de idade avançada, o santo bispo foi levado à prisão pelos pagãos por negar-se a oferecer sacrifícios aos ídolos. O Santo foi então arrastado diante do governador que havia antes tentado persuadi-lo a renegar sua fé em Cristo, dizendo que a adoração aos ídolos era mais antiga e, portanto, mais respeitável do que aquela nova religião pregada por pescadores e gente humilde.

Santo Antipas respondeu lembrando a história de Caim que, embora tenha sido antepassado da humanidade, era, no entanto, abominável e desprezível por ter assassinado seu irmão. Que, mesmo as crenças dos helênicos, também muito antigas, não eram menos desprezível para os que receberam a revelação da plenitude da Verdade nos últimos tempos. Ao ouvir estas palavras, o governador e os pagãos encheram-se de ódio e o jogaram numa fornalha ardente.

De lá, Santo Antipas elevou uma fervorosa oração ao Senhor, dando graças por sofrer por amor e testemunhar assim que o amor de Deus é mais forte que a morte. Assim, entregou sua alma nos braços do Senhor e seu corpo foi sepultado na igreja de Pérgamo. De seu túmulo, um suave odor de bálsamo exalou durante anos, produzindo excelentes efeitos terapêuticos para o consolo dos cristãos na cidade e muitos peregrinos que para lá acorriam de todos os lados, para venerar a memória do santo”.

Clique aqui: Antipas, bispo de Pérgamo. Antipas foi perseguido e morto  durante o reinado de Domiciano, Catholic Online, St Antipas.

Os Balaãmitas (ver Apoc. 2.14) haviam encontrado tempo de se estabelecer em Pérgamo, o que significa que se partimos do estabelecimento da Igreja, depois de 60 dC, e a exortação àqueles que seguiam já a doutrina de Balaão, teríamos que admitir que isso aconteceu num curtíssimo espaço de tempo. A invasão e aceitação dos Balaãmitas dentro da Igreja não pode ter ocorrido tão rápido.

João também escreveu sobre a doutrina dos nicolaítas nos capítulos 2 e 3, que era uma forma incipiente de gnosticismo que não se desenvoveu até algum tempo depois de 70 dC. No momento da escrita de João do Apocalipse, o gnosticismo tinha trabalhado seu caminho para a igreja a tal ponto que foi mencionado nos endereços de outras dessas congregações.

Todas essas coisas teriam que se desenvolver nestas igrejas em três  anos ou menos, a fim de manter a data de 70 dC para a escrita do Livro de Apocalipse. Enquanto tal coisa não é totalmente impossível, é altamente improvável. É extremamente importante em nossa consideração sobre este assunto, que  reconhecemos que em 70 dC, a degradação espiritual, a apostasia dos gnósticos e a perseguição da Igreja na Ásia Menor, ainda não tinha alcançado o nível demonstrado pelo texto. Essa apostasia não ocorreu em dois ou três anos, mas sim foi desenvolvida pelo menos após duas décadas de existência da Igreja. Isso nos revela que Apocalipse jamais pode ter sido escrito antes de 70 dC.

Devemos lembrar a quem o Apocalipse foi dirigido e considerar o contexto histórico em que essas igrejas realizaram as circunstâncias que estavam enfrentando, o que não pode ter sido na década de 70.

A revelação  dirigida as igrejas da Ásia, não é apenas entendida como direcionada para eles, mas sobre eles também. As circunstâncias terríveis retratada nas pequenas cartas são preditas a vir sobre  quem a carta é dirigida e não às pessoas que vivem em outra parte do mundo. Não faz sentido para João endereçar uma carta aos cristãos que vivem na Ásia Menor sobre os  eventos que acontecem na Judéia.

Não é dizer que o Apocalipse não tem aplicação aos cristãos que vivem em outros lugares, ou seja,  de outros tempos. Apocalipse certamente tem uma aplicação direta a todos os cristãos que viviam no Império Romano, subjulgados por Roma, e com ela atravessada no caminho impedido o avanço da Igreja.

Carta à Igreja em Tiatíra

TiatiraChegamos à Igreja de Tiatíra. É importante lembrar do contato de Paulo com pessoas dessa cidade anunciando-lhes o evangelho e batizando toda família, como vemos em Atos 16:14, 15. Isso ocorreu perto do ano 58. Portanto, se atentamos para a cronologia preterista, devemos acreditar que  alguns poucos anos  depois João escreve uma carta para essa Igreja que, inexplicavelmente, já mostrava sinais de corrupção,

“… tenho contra ti que toleras Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria. E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição; e não se arrependeu. Eis que a porei numa cama, e sobre os que adulteram com ela virá grande tribulação, se não se arrependerem das suas obras. E ferirei de morte a seus filhos, e todas as igrejas saberão que eu sou aquele que sonda os rins e os corações. E darei a cada um de vós segundo as vossas obras”, Apo 2:20-23.

Jezabel não havia apenas subido a um lugar de influência em Tiatira, mas também já havia sido dado a ela tempo de se arrepender. Ou seja, Jezabel entrou na Igreja, foi aceita, enganou muitos, foi descoberta, lhe deram tempo para que se arrependesse, mas ela não se arrependeu. Temos que pegar tudo isso e encolher colocando dentro de, no máximo, quatro anos. Não seria possível  um desvio dessa magnitude numa   Igreja recém fundada.

Como foi visto em outro tópico, entendemos que, se seguimos a datação preterista para o aprisionamento do Apóstolo João, devemos concluir que as cartas redigidas por ele às sete Igrejas foram escritas entre 62 e 64, o que deixa um espaço curtíssimo demais para a sequência negativa que encaixa a condição de uma Igreja que foi fundada quase no ano 60 de nossa era. Em outras palavras, temos apenas pouquíssimos anos de vida da Igreja  para que nela se manifestassem pontos negativos pervertidos ao extremo.

A profetiza falsa Jezabel conseguiu infiltrar-se na congregação, ser aceita, tolerada e levar todos ao engano,

“… tenho contra ti que toleras Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria…”

Obviamente  isso não aconteceu da noite para o dia. Se a Igreja foi fundada perto  de 60 dC, e João escreveu-lhes e enviou  esta pequena carta até 63 dC, devemos concluir que Jezabel trabalhou rapidíssimo. Mas isso não é tudo, pois dentro desse tempo estreito ao extremo, devemos também encaixar o tempo que foi dado a ela para que se arrependesse,

“… E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição…”

Mais impossível  seria explicar que dentro desse curto espaço ainda ocorreu o tempo de espera para que ela respondesse a advertência, o que fez de forma negativa, não se arrependendo,

“… e não se arrependeu…”

Isso nos leva a concluir que toda essa ação maléfica dentro da Igreja levou um tempo consideravelmente longo para ocorrer, do seu início até o alerta que o Senhor Jesus envia através da carta de João. Portanto, temos aqui mais uma referência nas cartas as sete Igrejas como prova contra a tese de que Apocalipse tenha sido escrito antes de 70 dC. Se Apocalipse não foi escrito antes da destruição de Jerusalém todo o argumento católico preterista vira farelo.

Carta à Igreja de Éfeso

Segundo o relato de Lucas em Atos 20, quando Paulo visitou a Ásia Menor, “… de Mileto mandou a Éfeso, chamar os anciãos da igreja. E, logo que chegaram juntos dele, disse-lhes… Olhai pois por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue” (At 20:17, 18, 28). Quando Paulo falou essas palavras, Timóteo era o pastor da igreja de Éfeso (1 Tm 1:3) e provavelmente Tíquico tenha sido seu substituto (At 20:4; Ef 6:21; 2 Tm 4:12).

Essa Igreja recebeu duas cartas: uma de Paulo (epístola aos efésios), e outra de Cristo (à que está em foco). A primeira em 62 dC, a segunda depois de 96 d. C, que aparece em Apocalipse 2:2: “Eu sei as tuas obras e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos e o não são, e tu os achaste mentirosos”.

“… os que dizem ser apóstolos”. Está em foco neste versículo os chefes gnósticos, que tinham arrogado para si o título de apóstolos de Cristo. Paulo diz que tais “… falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo” (2 Co 11.13b). Diante dos “anciãos de Éfeso”, Paulo chamou estes de “… lobos cruéis, que não perdoarão ao rebanho” (At 20:29a), o que curiosamente é dito pelo Apóstolo que ocorreria após sua partida deste mundo. Veja o verso completo: “Porque eu sei isto que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não pouparão ao rebanho“.

Podemos inferir que a invasão dos falsos cristãos na liderança da Igreja ocorreu após a morte de Paulo. Isto significa que não ocorreu imediatamente antes de 70 dC.

A igreja de Éfeso, talvez tenha sido a de maior cuidado do ministério de Paulo; O Novo Testamento diz que Paulo esteve em Éfeso levando consigo Priscila e Áquila; e deixou-os ali (At 18.19); retornou mais tarde (19.1) e desta vez permaneceu dois anos, dedicado à pregação do Evangelho. Dessa maneira, todos os que habitavam na Ásia ouviram a palavra sobre o Senhor Jesus, assim judeus como gregos (At 19.10). Éfeso chegou mesmo a tornar-se o centro do mundo cristão.

Para esta Igreja João escreve, “Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres” (Apoc 2:4,5).

A situação da congregação em Éfeso ficou tão séria que o Senhor lhes pede arrependimento ou removeria deles o candeeiro – infelizmente essa ameaça de Jesus logo se tornou realidade. A igreja de Éfeso, que se encontrava onde hoje é a Turquia, desapareceu e não há praticamente mais nada que a lembre.

Quando o Apóstolo João escreveu aos Efésios?

Permita-me o leitor fazer aqui alguns cálculos para que se tenha idéia do absurdo proposto pela teologia preterista: Segundo eles, o capítulo 18 de Apocalipse descreve a destruição final da cidade de Jerusalém, que eles chamam de Babilônia. Isso nos levaria a concluir que, pelo menos, os capítulos de 1 a 18 foram redigidos por um João apressado e desesperado, antes de 70 dC, lhe dando uma margem de tempo curtíssimo para entregar o aviso a todas estas congregações, bem longe da ilha de Patmos, lá em território romano, na Ásia Menor.

O que quero esclarecer, considerando todos estes detalhes, é que devemos trazer a escrita e termino do Livro de Apocalipse até 68 dC. Se for este o caso, temos que procurar uma data anterior para encaixar os registros às sete Igrejas da Ásia, o que seria justo localizar o tempo da redação dessas cartas em pelo menos seis anos antes da destruição de Jerusalém, o que significa algo, no máximo, em torno de 63 dC – Os cálculos estão sendo feitos usando a cronologia dos preteristas. E mais, João não pode ter sido exilado em Patmos antes de 60 dC, pois se algumas dessas Igrejas nem existiam nessa ocasião ele não tinha que escrever-lhes cartas de advertência nenhuma. Assim, e tendo por base as datas do preterismo, João escreve sua carta aos Efésios não mais tarde que 63 dC.

Paulo viveu em Éfeso durante dois anos (Atos 19:10). Nesse tempo a igreja recebeu orientação pessoal direta das mãos do apóstolo. Éfeso era o lugar onde esta registrado que Paulo fazia milagres extraordinários, alguns tão importante que até a roupa que ele usava, quando foi posta em contato com os enfermos, os curaram.

A melhor evidência que temos sobre a execução de Paulo é em cerca de 67 dC, sob o reinado de Nero. A cidade de Roma teria sido queimada, e Nero, ansioso para culpar os cristãos, e assim diminuir a culpa de si mesmo, decapitou Paulo.

O ardor e diligência do Apóstolo pela Igreja de Éfeso é bem documentada na Escritura. Para que o livro de Apocalipse tenha sido escrito antes de 70 dC, a igreja de Éfeso teria de ter perdido seu primeiro amor enquanto Paulo estava vivo, ou pouco depois de sua morte. Mas o pior nisso tudo é tentar localizar João escrevendo a Éfeso antes da morte de Paulo.

Paulo escreve a Igreja em Éfeso lá pelos idos de 62, época que estava preso em Roma. Assim, somos obrigados a localizar a advertência de João aos efésios acusando-os de ter abandonado o primeiro amor, praticamente na mesma ocasião do elogio de Paulo.

Paulo testemunha aos efésios o seguinte:

“… noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor…”, cap 5:8

Não faz sentido a mesma Igreja ter recebido ao mesmo tempo uma palavra tão negativa do Apóstolo João:

Ap 2:4 Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor.

Uma Igreja que havia abandonado seu primeiro amor não poderia jamais ter sido elogiada por Paulo sobre o amor que ela nutria por todos os santos, como também por sua fé, motivos estes que fazem com que o Apóstolo dê graças incessantes a Deus pelo exemplo desses cristãos.

Por isso, ouvindo eu também a fé que entre vós há no Senhor Jesus, e o vosso amor para com todos os santos, não cesso de dar graças a Deus por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações“. Efésios 1:15,6

Os absurdos propostos pelo preterismo são gritantes quando examinamos a condição da Igreja de Éfeso descrita pelo Apóstolo dos gentios, que insiste em demonstrar nas suas linhas que Deus “… VOS vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados, em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência”, Efe 2:1,2

Paulo declara que a igreja de Éfeso tinha ardente caridade para com “todos os santos” (cf. Ef 3.18). Paulo chegou até a convidá-los a participarem da “… largura, e a altura e a profundidade” do amor de Deus, … que excede todo o entendimento” (Ef 3.18-19). Portanto, João jamais poderia ter escrito, na mesma ocasião da escrita de Paulo, que a luz que havia ali estava para ser apagada

O contraste é tão grande que até os mais desavisados e ignorantes percebem. Uma congregação que no tempo presente da escrita do apóstolo Paulo foi reconhecida como luz no Senhor, transbordante de amor para com os santos, sendo firme na fé e vivificada, não pode ser acusada de ter abandonado seu primeiro amor por outro Apóstolo, praticamente na mesma época. Como poderiam ter abandonado este amor em tão pouco tempo, se houve mesmo algum tempo? Ora, a verdade é que esse afastamento do primeiro amor se deu num tempo anterior tão distante que Jesus pede a Igreja que se lembre de onde havia caído.

“Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras, quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres.”, Apocalipse 2:5

“… pratica as primeiras obras…”.

Essa advertência associada ao inicio do versículo, de que deveriam lembrar-se de onde caíram, como e quando caíram, deixa explícito que essa queda ocorreu num passado bem distante. Esse tempo distante se calculamos tendo por base as datas do preterismo, que coloca João em Patmos por volta de 62 dC, obriga-nos a voltar, pelo menos, em 40 dC para localizar a queda da Igreja. Isso é impossível, pois nessa época não havia Igreja em Éfeso.

Assim, surge o questionamento: o que seria mais coerente concluir se tentarmos cobrir esse espaço de tempo enorme exigido pelo contexto explicito, revelado na exortação de Jesus que a queda da Igreja se deu num tempo anterior muito distante? A advertência só faz sentido se localizamos a escrita para anos depois de 70 dC. Em outras palavras, se os registros foram feitos quase no final do primeiro século, e se voltamos no tempo para acompanhar a Igreja no rastro de sua queda, podemos achar uma congregação que perdeu seu primeiro amor no inicio da década de 80 dC, pelo menos.

Quando Paulo escreveu para essa Igreja não encontrou nada a criticar. Entretanto, se João escreveu a Éfeso na mesma época, então dentro de um curto espaço de tempo a igreja tinha deixado seu primeiro amor e estava em perigo de ter sua luz apagada. Isso é uma tremenda contradição; não é possível admitir que uma Igreja elogiada por ser “… Luz no Senhor…“, pode, ao mesmo tempo, ser ameaçada de ter seu candeeiro removido.

A verdade é que a carta de Paulo aos Efésios não foi redigida na mesma época da escrita de João dirigida a mesma Igreja (Apocalipse 2:1 -7). Basta observar que os erros apontados por Cristo aos Efésios em Apocalipse não vieram a tona na epístola de Paulo. Se João tivesse escrito a Igreja na mesma ocasião, teria se sobreposto a carta de Paulo. No entanto, Paulo não faz menção à perda do primeiro amor ou a ameaça dos Nicolaítas e nem os alerta de que teriam o candeeiro removido, pelo contrário. Portanto, diante dos fatos, é muito mais provável que a moleza espiritual de que João acusa Éfeso, tenha vindo quase 20 anos depois da igreja ter recebido elogios do Apóstolo dos gentios.

Conclusão

Paulo escreve aos Efesios depois dos anos 60 d.C, pois a prisão mencionada em 3:1 e 6:20 é a mesma referida em Cl 4:3,10,18. Paulo elogia a Igreja de Éfeso em 62 pelo amor e dedicação. Portanto, João não poderia de forma alguma ter escrito a essa Igreja na mesma ocasião dizendo que ela perdeu seu primeiro amor. Para que acontecesse um esfriamento nessas proporções haveria necessidade de uns vinte anos de afastamento da fé.

O estado em que se encontravam as igrejas da Ásia, como descrito nas sete cartas de Apocalipse capítulos 2 e 3, nos leva a quase trinta anos além da condição que estavam nos tempos de Paulo, e não dos meros 2 ou 3 anos exigidos pelas datas apresentadas pelo preterismo católico.

João não escreveu Apocalipse antes da destruição de Jerusalém!

A conclusão que salta diante dos olhos até dos mais ignorantes é patente: O Livro de Apocalipse, além de não tratar, em nenhuma de suas páginas, da queda de Jerusalém, foi escrito após 70 dC.