Para qual Geração Jesus Falou?

Mateus 24:34 – Esta geração não passará até que todas estas coisas aconteçam

O artigo está passando por revisão

A Geração que vê todas estas Coisas

Mat 24:34, “Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam”.

Jesus abrange sua palavra para que ela alcançe mais de um nível de interpretação. O momento de “Esta Geração” em Mateus 24:34 e regido pela frase relacionada, “TODAS ESTAS coisas”. Em outras palavras, Cristo está dizendo que a geração que vê “TODAS ESTAS coisas” ocorrerem nao deixará de existir ATÉ que todos os eventos da tribulação futura sejam literalmente cumpridos. Sem dúvida, aqui se trata de uma interpretação literal que não foi cumprida no século primeiro. Mas Cristo também avança para outro significado, ele não está fazendo ali uma última análise sobre uma palavra que se perderia num cumprimento definitivo dentro de 40 anos. Ele não fala apenas aos seus contemporâneos, mas a uma geração a quem os sinais de Mateus 24 se tornarão evidente.

O que Jesus está dizendo é que uma geração que tem uma antevisão do começo do FIM vê também o seu próprio fim. Quando os sinais sobre a iminente destrição de Jerusalém vierem, vão avançar rapidamente, e não se arrastarão por muitas outras gerações.

Esse também é um aviso para quem vive a nossa geração, pois os sinais previstos em Mateus 24 são visiveis hoje.

JESUS está voltando!

Apesar do coro preterista que “esta geração” se refere a geração do primeiro século, uma interpretação literal relaciona o momento da realização de outros eventos no contexto. Embora seja verdade que há outras utilizações de “esta geração”, que também faz referência aos contemporâneos de Cristo, não deixa de significar que a profecia aponta principalmente para eventos que ocorrerão antes da Segunda Volta de Jesus.

O uso de “esta geração” no Sermão do Monte e nas passagens da figueira são textos proféticos. Na verdade, quando se compara o uso de “esta geração” no início do Sermão do Monte, em Mateus 23:36 (que é uma referência indiscutível para AD 70) com o uso profético em Mateus 24:34, um contraste parece óbvio. Jesus está contrastando uma libertação de Israel em Mateus 24:34 com o Julgamento previsto de Mateus 23:36. Isso não ocorreu, muito pelo contrário, Jerusalém foi arrasada e os judeus dispersos.

TODAS ESTAS Coisas

Quando desafiados ou ameaçados sobre a veracidade de outros detalhes interpretativos, os preteristas quase sempre caem de volta naquilo que chamamos de “textos do tempo”. Sua compreensão de “esta geração” (Mateus 24:34) no Sermão do Monte se torna o texto prova que resolve todos os argumentos e justifica a sua interpretação fantasiosa de muitos outros detalhes referidos por Cristo como “todas estas coisas” no verso 34.

A intepretação dos Preteristas sobre “todas estas coisas” de Mateus 24:3-31 são alegóricas apenas para caber em seu esquema do primeiro século. Uma vez que “esta geração” é controlada pelo significado de “todas estas coisas,” é óbvio que essas coisas todas não ocorreram dentro, e em torno, dos eventos da destruição romana em Jerusalém no ano de 70 dC.

Quando foram os judeus, que estavam sob cerco romano, resgatados pelo Senhor no ano 70 dC? Eles não foram resgatados, eles foram julgados, como observado em Lucas 21:20-24. Mas Mateus 24 fala de um resgate Divino daqueles que estão sob cerco (?):

29 E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas.

30 Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.

31 E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus.

A aflição daqueles dias, segundo os preteristas, faz referência a Grande Tribulação que veio sobre Jerusalém em 70 dC. Isso não poderia ter-se cumprido no primeiro século!

A declaração imediatamente anterior de Cristo a “esta geração”, diz: “mesmo assim, vocês também, quando virdes todas estas coisas, reconheceis que Ele está próximo, às portas” (Mateus 24:33).

Os preteristas são forçados a afirmar que o ponto da parábola de Cristo sobre a figueira (Mateus 24:32-35), torna os eventos observados anteriormente em Mateus 24:4-31, como sinais anunciando a ajuda que estava chegando na Pessoa de Cristo – Sua volta para resgatar seu povo cê cado pelos romanos. Isso não faz sentido algum.

Vejam como a situacão do preterismo piora consideravelmente. Se Jerusalém estava prestes a ser destruída, seu povo disperso, como pode Lucas dizer que a redenção de Israel estava próxima?

Em Lucas 21:28 Jesus é enfático quando afirma que a redenção de Israel estava próxima,

“Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima”.

Certamente essa seção citada por Jesus não fazia referência aos sinais sobre a iminente destruição que viria sobre Jerusalem, mas sim que serão sinais proféticos assistidos pela geração que estiver vivendo na ocasião da sua Segunda Vinda.

Em contradição com isso, outros preteristas ensinam que “todas estas coisas” referem-se a vinda não corporal de Cristo através do exército romano no primeiro século. Eles são forçados a dizer que toda a passagem fala de uma vinda de Cristo através dos acontecimentos que antecederam o que Cristo realmente diz sobre como será o seu retorno. Não entanto, contra essa bagunça preterista, Cristo diz na parábola da figueira que os eventos anteriores, os sinais, ou todas estas coisas, deveriam ser um reconhecimento de que ele está próximo, às portas. Porém, Jesus ainda não veio!

O engano Preterista de Mateus 24

POR QUE o período da Tribulação não ocorreu em 70 AD?

Muitos eventos profetizados por Jesus para acontecer quando ele voltar nunca tiveram lugar em 70 DC.  Aqui estão alguns que nunca poderiam ter acontecido até os tempos modernos. A maioria dos listados abaixo foram preditos por Jesus como eventos que acontecem no momento certo do Seu retorno.

Dentro de Mateus 24

14 E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.

Só desde o advento da comunicação de satélites isto está sendo possível. O “Sputnik”, o primeiro satélite, foi lançado em tempos recentes,  4 de  outubro de 1957.

21 Porque haverá então grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora – e nunca a ser igualado novamente.

A angústia mais terrível que o mundo tem visto até agora vieram mais de 1.830 anos depois de 70 AD – no tempo que o mundo presencia nestes nossos dias a realização dos eventos que Jesus profetizou: O Holocausto, o programa russo, e os milhões que morreram sob o regime de Mao Tse-tung, as Cruzadas e a Inquisição Espanhola. A Peste Negra foi terrível, e muitos mais morreram na Segunda Guerra Mundial, sem contar outras catástrofes do nosso século.

Por que o preterista insiste que os eventos mais terríveis da história estão no passado? E Jesus disse que a Tribulação que Ele estava profetizando seria inigualável; isto certamente não fazia referência as tribulações que sobrevieram a Jerusalém em 70 dC…  Não aconteceu ainda na década de 1930 e 40. Mas isso vai acontecer durante o período de tempo da geração que começou em 1948, quando Israel se tornou uma nação. Jesus vai voltar nessa geração agora viva. Provavelmente logo após o único sinal  pré-requisito restante venha a acontecer.

Outros sinais que nunca ocorreram

Mateus 24

Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino. Haverá fomes e terremotos em vários lugares.

Todas essas coisas são o princípio das dores.

22 Se aqueles dias não fossem abreviados, ninguém sobreviveria, mas por causa dos escolhidos, tais dias serão abreviados.

27 Pois assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até o ocidente, assim será também a vinda do Filho do Homem.

29 Logo depois da tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, as estrelas cairão do céu, e os corpos celestes serão abaladas.

30 Naquela ocasião, o sinal do Filho do Homem aparecerá no céu, e todos os povos da terra se lamentarão. Eles verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.

31 E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os escolhidos desde os quatro ventos, de uma extremidade do céu para o outro.

Nações (ou grupos étnicos) levantam-se uns contra os outros rotineiramente nestes dias, e há uma fome única acontecendo em Darfur. E geralmente  terremotos de magnitude seis na escala Richter são frequentes. Isso aponta para um retorno iminente de Cristo.

A declaração-chave que Jesus fez, “dores de parto”, não foi por acaso. Dores de parto são caracterizadas por dor crescente, frequentes à medida que progridem. Torna-se consciente, dentro deste contexto de Mateus 24, a progressão, seguida de intensidade frequente das catástrofes naturais quando eles começam, provavelmente pode ser um último aviso para aqueles que estão conscientes do significado dessa frase.

O problema maior nisso tudo é que neste cenário explícito de desgraças parece que nada foi notado por quase ninguém da ala preterista. Eles se conformaram tão bem a esse padrão que tudo que acontece ao seu redor é classificado de normal.  E parece não haver nenhuma razão para fazer os preteristas acreditarem se catástrofes podem acontecer de novo. Talvez não estejam cientes do que Jesus profetizou.

Mateus 24:37-44

“E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem. Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro; Estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra. Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor. Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis”.  

Por que semelhanças aos dias anteriores ao dilúvio estão reservadas para os últimos dias se não mais haverá tribulação nenhuma neste tempo segundo os preteristas? Ora, os dias de Noé se encerraram com uma grande catástrofe.

Muitas pessoas cometem o erro de pensar que a referência de Jesus à situação que está sendo descrita nos dias de Noé foi uma condenação do Senhor pelos pecados que prevaleceu naquela época. Ao fazer isso, eles perdem o ponto real do que Jesus estava falando.

Jesus estava descrevendo a normalidade que prevaleceu antes do dilúvio. As pessoas que viviam naquela época, simplesmente estavam fazendo as coisas normais que as pessoas sempre fazem, tais como comer, beber e se casar, até o dia em que Noé embarcou na arca, ao invés de prestar atenção no aviso de Noé, e se preparar para o desastre iminente.  Como resultado, o dilúvio veio sobre eles na forma de um ladrão na noite e pegou todos de surpresa. Assim  vai acontecer com as pessoas na ocasião da volta do Senhor. Apenas um pequeno número perceberá os sinais que Jesus predisse, tomando nota da sua progressão e significado.  Afinal, ao contrário do que o preterismo anuncia, que as catástrofes e tribulações já ocorreram na Jerusalém de 70 dC, coisas realmente importantes estão acontecendo, e são dignas de atenção.    Não há razão para pensar que o Arrebatamento e a Tribulação não sejam coisas reais!

Olhe para trás na parte superior deste artigo, em Mateus 24:33-34, e lembre-se que a geração vivendo em nossos dias é a única que ainda vai  ver na terra os sinais do fim dos tempos. A geração específica pode estar enquadrada pelo nascimento de Israel em 1948  como uma nação (ou, possivelmente, a unificação em 1967 de Jerusalém como uma cidade totalmente israelense).

Mas esse não é o único indicador. Há ainda mais um problema enorme para ser lançado no caminho do preterismo, ele está em Lucas 21:28,

“E quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção se aproxima”.

Os preterismo alardeia aos quatro cantos do planeta que o discurso de Jesus em Mateus 24, associado a esta passagem, fazem alusão ao que precederia a destruição de Jerusalém até a invasão romana que devastaria a cidade santa.

Não vou muito longe não, mas vou fazer o que o preterismo odeia, perguntar novamente insistindo no mesmo detalhe:

Se a iminente destruição estava a caminho, por que Jesus  lhes falava em redenção? Por que nosso Senhor falava em  preservar a vida dos crentes judeus se estava para vir sobre eles uma imensa catástrofe?

Afinal de contas, o que aconteceu com Jerusalém, ela foi protegida da destruição predita em Mateus 24 ou foi entregue as forças romanas?

Na verdade, em 70 dC, o Império Romano destruiu o templo de Israel, matando mais de um milhão de judeus no processo, e espalhamento aqueles que permaneceram. Este foi o cumprimento de Lucas 21:24, quando Jesus profetizou a destruição do templo, bem como a dispersão de Israel quando disse: “E cairão ao fio da espada e serão levados cativos para todas as nações : e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem”.

Jesus mentiu para os judeus quando citou essas palavras em Mateus 24?

“E ele enviará os seus anjos com uma grande trombeta e eles reunirão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma extremidade do céu para o outro”.

“E quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção se aproxima”.

Quem neste vasto planeta poderia acreditar que Mateus 24, todo o capítulo, é um cumprimento da destruição de Jerusalém? O Preterismo acredita, e pior, ainda insistem diante desses registros citados acima, mesmo que esses registros prometam livramento aos judeus. Os preteristas   não se importam de cair no ridículo, o que importa é a preservação de suas heresias.

Jesus jamais poderia estar fazendo previsões sobre a destruição do povo judeu e da cidade santa quando dizia que a “redenção deste povo estava próxima, que reuniria seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma extremidade do céu para a outra”.

Logicamente ele falava de algo que ainda não ocorreu, que não cumpriu-se no tempo da destruição total de Jerusalém.

A Geração que não Passará

“Em verdade vos digo que esta geração de modo algum passará até que todas essas coisas aconteçam.”

O artigo está passando por revisão