A Geração que vê todas estas Coisas

Postado por

Mat 24:34, “Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam”.

Jesus abrange sua palavra para que ela alcançe mais de um nível de interpretação. O momento de “Esta Geração” em Mateus 24:34 e regido pela frase relacionada, “TODAS ESTAS coisas”. Em outras palavras, Cristo está dizendo que a geração que vê “TODAS ESTAS  coisas” ocorrerem nao deixará de existir ATÉ que todos os eventos da tribulação futura sejam literalmente cumpridos. Sem dúvida, aqui se trata de uma interpretação literal que não foi cumprida no século primeiro. Mas Cristo também avança para outro significado, ele não está fazendo ali uma última análise sobre uma palavra que se perderia num cumprimento definitivo dentro de 40 anos. Ele não fala apenas aos seus contemporâneos, mas a uma geração a quem os sinais de Mateus 24 se tornarão evidente.

O que Jesus está dizendo é que uma geração que tem uma antevisão do começo do FIM vê também o seu próprio fim. Quando os sinais sobre a iminente destrição de Jerusalém vierem, vão avançar rapidamente, e não se arrastarão por muitas outras gerações.

Esse também é um aviso para quem vive a nossa geração, pois os sinais previstos em Mateus 24 são visiveis hoje.

JESUS está voltando!

Como tal, é a questão dos sinais que controla a força da passagem, fazendo com que este ponto de vista se torne legítimo, sendo a correta visão. Jesus diz que os sinais que mostrarão o começo do fim vêm relativamente rápidos, e que diante desses sinais sua vinda não passe de uma geração.

Apesar do coro preterista que “esta geração” se refere a geração do primeiro século, uma interpretação literal relaciona o momento da realização de outros eventos no contexto. Embora seja verdade que há outras utilizações de “esta geração”, que também faz referência aos contemporâneos de Cristo, não deixa de significar que a profecia aponta principalmente para eventos que ocorrerão antes da Segunda Volta de Jesus.

O uso de “esta geração” no Sermão do Monte e nas passagens da figueira são textos proféticos. Na verdade, quando se compara o uso de “esta geração” no início do Sermão do Monte, em Mateus 23:36 (que é uma referência indiscutível para AD 70) com o uso profético em Mateus 24:34, um contraste parece óbvio. Jesus está contrastando uma libertação de Israel em Mateus 24:34 com o Julgamento previsto de Mateus 23:36. Isso não ocorreu, muito pelo contrário, Jerusalém foi arrasada e os judeus dispersos.

TODAS ESTAS Coisas

Quando desafiados ou ameaçados sobre a veracidade de outros detalhes interpretativos, os preteristas quase sempre caem de volta naquilo que chamamos de “textos do tempo”. Sua compreensão de “esta geração” (Mateus 24:34) no Sermão do Monte se torna, para eles, o texto prova que resolve todos os argumentos e justifica a sua interpretação fantasiosa de muitos outros detalhes referidos por Cristo como “todas estas coisas” no verso 34.

A intepretação dos Preteristas sobre “todas estas coisas” de Mateus 24:3-31 são alegóricas apenas para caber em seu esquema do primeiro século. Uma vez que “esta geração” é controlada pelo significado de “todas estas coisas,” é óbvio que essas coisas todas não ocorreram dentro e em torno dos eventos da destruição romana em Jerusalém no ano de 70 dC.

Quando foram os judeus, que estavam sob cerco romano, resgatados pelo Senhor no ano 70 dC? Eles não foram resgatados, eles foram julgados, como observado em Lucas 21:20-24. Mas Mateus 24 fala de um resgate Divino daqueles que estão sob cerco:

29 E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas.

30 Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.

31 E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus.

A aflição daqueles dias, segundo os preteristas, faz referência a Grande Tribulação que veio sobre Jerusalém em 70 dC. Isso não poderia ter-se cumprido no primeiro século!

A declaração imediatamente anterior de Cristo a “esta geração”, diz: “mesmo assim, vocês também, quando virdes todas estas coisas, reconheceis que Ele está próximo, às portas” (Mateus 24:33).

Sendo assim, os preteristas são forçados a afirmar que o ponto da parábola de Cristo do figo, a árvore (Mateus 24:32-35), é que todos os eventos observados anteriormente em Mateus 24:4-31 são sinais anunciando que sobre aqueles que estavam cercados pelos romanos a ajuda estava chegando na Pessoa de Cristo em Sua volta para resgatar seu povo. Isso não faz sentido algum.

Vejam como a situacão do preterismo piora consideravelmente. Se Jerusalém estava prestes a ser destruída, seu povo disperso, como pode Lucas dizer que a redenção de Israel estava próxima?

Em Lucas 21:28 Jesus é enfático quando afirma que a redenção de Israel estava próxima,

 “Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima”.

Certamente essa seção citada por Jesus não fazia referência a sinais sobre a iminente destruição que viria sobre Jerusalem, mas sim que serão sinais proféticos assistidos pela geração que estiver vivendo na ocasião da sua Segunda Vinda.

Em contradição com isso, outros preteristas ensinam que “todas estas coisas” referem-se a vinda não corporal de Cristo através do exército romano no primeiro século. Eles são forçados a dizer que toda a passagem fala de uma vinda de Cristo através dos acontecimentos que antecederam o que Cristo realmente diz sobre como será o seu retorno. Não entanto, contra essa bagunça preterista, Cristo diz na parábola da figueira que os eventos anteriores, os sinais, ou todas estas coisas, deveriam ser um reconhecimento de que ele está próximo, às portas. Porém, Jesus ainda não veio!

Aqui eles são derrubados, pois Cristo realmente falava sobre sua Segunda Vinda, a qual ainda não ocorreu. E se ele diz aos que ali estavam que quando “estes” vissem os sinais, eles deveriam reconhecer que ele estava para vir, estava às portas. Isso deixa evidente que muita coisa em Mateus 24 acontecerá antes da Segunda Volta do Senhor.