Jerusalém e Babilônia

Jerusalem

Todo o caminho através das Escrituras Babilônia sempre significa Babilônia e Jerusalém sempre significa Jerusalém. Enquanto as Escrituras normalmente relacionam Jerusalém com o povo de Deus, relaciona Babilônia com o mundo. Os detalhes de Apocalipse 17-18 assemelha-se pouco com a Jerusalém do primeiro século. Por exemplo, Jerusalém não se sentava sobre muitas águas (17:15), ou mesmo reinava sobre os reis da terra, e nem ainda se assemelhava a uma potência econômica (18).

Além disso, embora a descrição da prostituta parece comunicar o seu grande envolvimento com a idolatria (adultério espiritual, coisas impuras e abominações), esta não é uma descrição da Jerusalém do primeiro século, à luz do fato de que a cidade daquela época era estritamente monoteísta. A condição dos judeus em 70 dC, não pode ser a que foi descrita em Apocalipse 9:20, onde fala daqueles que foram feridos pela explosão da sexta trombeta; alguns dos quais foram mortos, e alguns poupados, não poderiam ter sido judeus, pois o texto diz que estes estavam envolvidos com idolatria,

E os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras de suas mãos, para não adorarem os demônios, e os ídolos de ouro, e de prata, e de bronze, e de pedra, e de madeira, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar”.

Não seria possível aplicar essa passagem aos judeus, pois eles não eram idólatras. Não podemos acusar a Jerusalém de 70 dC de fabricar ídolos de outro, de prata e de bronze (Rom 2:22).

É extremamente importante para o correto entendimento de quem é essa prostituta e considerar todos os elementos que a caracterizam. Esta “Babilônia, a mãe das meretrizes”, é descrita em Apocalipse 18:17 como uma cidade marítima envolvida no comércio com navios. Apocalipse 17:1 anteriormente descreveu-a como estando assentada sobre muitas águas. Não há nenhuma maneira de ser uma descrição de Jerusalém se juntamos o que é apenas símbolos. Jerusalém se localizava no deserto, a quarenta milhas do porto de Jope. Os símbolos em Apocalipse insistem em identificar essa metrópole até quando menciona o rio Eufrates, que é ligado a Babilônia original, mas não a Jerusalém.

Não se espera que Jerusalém, que foi destruída pelos romanos em 70 dC, poderia ser a mesma metrópole vista em Apocalipse, pois o texto diz que a mulher, a grande cidade, reina (está reinando) sobre os reis da terra. Os judeus e Israel certamente não reinavam sobre os reis da terra nesse tempo. Roma e os reis da terra não estavam sujeitos aos judeus e a cidade santa. Muito pelo contrário, os judeus e sua cidade foram alvos de Roma e seu Imperador, o rei da terra habitada.

Além disso, tudo, como poderia ser Jerusalém considerada a “mãe das meretrizes” ou a fonte de toda prostituição quando a prostituição existiu (Gen 11:1-9) muito antes de a cidade de Jerusalém ter existido?

Há uma série de motivos que não fazem de Jerusalém a prostituta de Apocalipse 17.

a) A prostituta também é chamada Babilônia. Apocalipse 17 e 18 é sobre a destruição da Babilônia. Este é o cumprimento final das previsões feitas em Isaías 13 e 14 e Jeremias 50 e 51. Nesses capítulos Israel e Jerusalém são contrastadas com a Babilônia e os caldeus. Observem que Jerusalém é citada separada de Babilônia. Essas passagens apresentam profecias sobre a derrota de Babilônia e a vindicação de Israel e Jerusalém.

Aqueles que ensinam que a prostituta em Apocalipse 17, que é identificada com Babilônia (Apocalipse 17:5), deve ser entendida como sendo Jerusalém, devem explicar como a Palavra Sagrada de Deus, a qual Jesus disse que não pode ser quebrada (João 10:35) passa a ter seu significado inicial totalmente revertido em cumprimento [futuro] e ainda qualificar-se como verdade!

Como poderíamos aceitar a profecia de Deus como verdadeira quando percebemos uma certa discrepância – ler o profeta falar da destruição de uma cidade, mas, em seguida ver o “cumprimento” da profecia milhares de anos mais tarde, destruindo uma cidade completamente diferente?

b) Outra figura importante, que prova não ser Jerusalém a Grande Meretriz, é que o rio Eufrates está associado com os eventos que ocorrem no Livro do Apocalipse (Ap 9:14; 16:12). O Eufrates é associado com a Babilônia literal, não com Jerusalém. Lembre-se que isso são figuras que ajudam na identificação da cidade que reina sobre os reis da terra.

c) A prostituta de Apocalipse 17 “se assenta sobre muitas águas”, que representam “povos, multidões, nações e línguas”. Isso aponta para a sua influência global, que muito mais naturalmente implica Babilônia, exemplificada originalmente em Babel, o primeiro reino do homem e do lugar onde a rebelião e as heresias foram espalhadas pela terra através da confusão das línguas.

Dela é dito ser a “Mãe das prostituições e das abominações da Terra”. Isto fala de seu papel como a criadora da prostituição e das abominações da terra. Isto, muito mais naturalmente, se aplica a Babilônia (na forma de Babel, do reino de Ninrod, Gen. 10, 11) do que o infiel Israel/Jerusalém, que gerou suas prostituições de outro lugar. Ezequiel constata que ela se originou no Egito (Ez 23:8, 27).

Ali está escrito:

“E as suas prostituições, que trouxe do Egito, não as deixou; porque com ela se deitaram na sua mocidade, e eles apalparam os seios da sua virgindade, e derramaram sobre ela a sua impudicícia”.

Ezequiel também aponta para os heteus, amorreus, como tendo sido uma fonte de prostituição de Israel; Ez 16:3, 44-45

Em outra parte, Ezequiel identifica aqueles que cometem prostituição com o Israel infiel como tendo tido seu nascimento na Babilônia:

“E aumentou as suas impudicícias, porque viu homens pintados na parede, imagens dos caldeus, pintadas de vermelho; cingidos de cinto nos seus lombos, e tiaras largas e tingidas nas suas cabeças, todos com parecer de príncipes, semelhantes aos filhos de Babilônia em Caldéia, terra do seu nascimento”. Ez 23:14-15

Os textos mostram claramente que Babilônia e não Jerusalém foi a fonte da infecção que prostituiu os povos. A prostituição partiu de uma influência anterior – a mãe – Babilônia!

Na meretriz de Apocalipse é encontrado “o sangue dos profetas e santos, e de todos os que foram mortos na terra”. Embora os judeus apóstatas contribuíssem para esse derramamento de sangue (Mat 23:34-39), essa fala de incrédulos fariseus em Jerusalém nos dias de Jesus, como agentes que participam na influência histórica da prostituta. Por outro lado, o abate dos santos pós século um já ultrapassou em muito os do tempo até Jesus, tanto em número como em alcance global.

Isto pode ser visto na multidão de mártires cristãos que pereceram desde então em países e sob regimes completamente desconectados de Israel e Jerusalém, incluindo movimentos islâmicos e as nações da Ásia e da África, que são responsáveis por muitos mártires cristãos em nossos dias, sem mencionar a Roma do passado.

Se a destruição final da Babilônia, a meretriz, é o futuro (e há muitas razões que indicam isso), então ela também deve dar conta do sangue de todos os justos, derramado desde a época de Jesus – e de todo o mundo.

Babilônia conseguiu camuflar-se entre as nações, usando delas com sua fúria, poder herético e assassino, tão somente para perpetuar seu domínio. Um tiro que saiu pela culatra, pois fez com que a profecia contra ela mesma se cumpra: ela vai ser capturada!

Simplesmente não é possível colocar isso em pé de igualdade com Jerusalém. A responsabilidade é global, tendo em conta que está completamente de acordo com a ideia de que a prostituta é a Babilônia, o ponto culminante da rebelião, que começou inicialmente na antiga Babel. Restringindo a prostituta a Jerusalém ou ao judaísmo, fica simplesmente demasiado estreito, pequeno, dado ao escopo global do livro do Apocalipse.

Cortando Caminho pelo Eufrates

Há deficiências graves no ensinamento preterista e as questões sem resposta já ultrapassaram os limites da sabedoria e bom senso. Apocalipse 16:12-16 descreve como a Batalha do Armagedom começara (ou como ela supostamente teve início).

“E o sexto anjo derramou a sua taça sobre o grande rio Eufrates; e a sua água secou-se, para que se preparasse o caminho dos reis do oriente. E da boca do dragão, e da boca da besta, e da boca do falso profeta vi sair três espíritos imundos, semelhantes a rãs. Porque são espíritos de demônios, que fazem prodígios; os quais vão ao encontro dos reis da terra e de todo o mundo, para os congregar para a batalha, naquele grande dia do Deus Todo-Poderoso… E os congregaram no lugar que em hebreu se chama Armagedom”.

Aqui está mais uma pergunta: Quem conquistou Jerusalém em cumprimento desta profecia e de onde eles vieram? A posição preterista ensina que esta profecia se cumpriu no ano 70 quando o general romano Tito e seu exército conquistaram Jerusalém.

Mas Roma fica praticamente a Leste de Jerusalém, e na profecia (Ap 16:12) diz que o Eufrates secou-se de modo que os reis do Oriente tivessem acesso para fazer guerra contra Jerusalém no Armagedom. Ora, o Eufrates é citado para apontar diretamente na cabeça de Babilônia e não de Jerusalém, pois o Rio está ligado a Babilônia original. A simbologia que usa o Eufrates como figura quer esclarecer exatamente de quem se trata: Jerusalém não representa Babilônia.

Jerusalém e Babilônia

Identificar Babilônia como Jerusalém contradiz completamente o fundamento do VT sobre o qual a destruição da Babilônia apresentada no livro de Apocalipse se sustenta (Isaías 14: 1-4; 47: 1; Jeremias 50: 17-20; 51: 1-6). Quando examinamos essas passagens do AT, encontramos uma distinção consistente entre a Babilônia, o sujeito da ira de Deus, e Jerusalém/Israel, a quem Deus vai vingar:

Porque o Senhor se compadecerá de Jacó, e ainda elegerá a Israel, e os porá na sua própria terra; e unir-se-ão a eles os estrangeiros, e estes se achegarão à casa de Jacó. Os povos os tomarão e os levarão aos lugares deles, e a casa de Israel possuirá esses povos por servos e servas, na terra do Senhor; cativarão aqueles que os cativaram e dominarão os seus opressores.

No dia em que Deus vier a dar-te descanso do teu trabalho, das tuas angústias e da dura servidão com que te fizeram servir, então, proferirás este motejo contra o rei da Babilônia e dirás: Como cessou o opressor! Como acabou a tirania!” (Isa 14: 1-4)

Desce e assenta-te no pó, ó virgem filha de Babilônia; assenta-te no chão, pois já não há trono, ó filha dos caldeus, porque nunca mais te chamarás a mimosa e delicada” (Isaías 47:1).

Cordeiro desgarrado é Israel; os leões o afugentaram; primeiro, devorou-o o rei da Assíria, e, por fim, Nabucodonosor o desossou.

Portanto, assim diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel: Eis que castigarei o rei da Babilônia e a sua terra, como castiguei o rei da Assíria. Farei tornar Israel para a sua morada, e pastará no Carmelo e em Basã; fartar-se-á na região montanhosa de Efraim e em Gileade.

Naqueles dias e naquele tempo, diz o Senhor, buscar-se-á a iniquidade de Israel, e já não haverá; os pecados de Judá, mas não se acharão; porque perdoarei aos remanescentes que eu deixar” (Jer 50: 17-20).

Assim diz o Senhor: Eis que levantarei um vento destruidor contra a Babilônia e contra os que habitam em Lebe-Camai.

Enviarei padejadores contra a Babilônia, que a padejarão e despojarão a sua terra; porque virão contra ela em redor no dia da calamidade. O flecheiro arme o seu arco contra o que o faz com o seu e contra o que presume da sua couraça; não poupeis os seus jovens, destruí de todo o seu exército.

Caiam mortos na terra dos caldeus e atravessados pelas ruas! Porque Israel e Judá não enviuvaram do seu Deus, do Senhor dos Exércitos; mas a terra dos caldeus está cheia de culpas perante o Santo de Israel.

Fugi do meio da Babilônia, e cada um salve a sua vida; não pereçais na sua maldade; porque é tempo da vingança do Senhor: ele lhe dará a sua paga” (Jer 51: 1-6).

E eu retribuirei a Babilônia e a todos os habitantes da Caldéia, por todo o mal que fizeram em Sião aos vossos olhos”, diz o Senhor (Jer 51:24).

 “Seja a violência feita a mim e à minha carne sobre Babilônia”, dirá o habitante de Sião; “E o meu sangue caia sobre os habitantes da Caldéia!” Jerusalém dirá (Jer 51:35).

 Assim como a Babilônia fez com que os mortos de Israel caíssem, da mesma forma na Babilônia cairão os mortos de toda a terra” (Jer 51:49).

Se a linguagem significa alguma coisa, o intérprete não pode simplesmente inverter o significado de numerosas passagens das Escrituras para se adequar à sua própria predileção. Porém, é exatamente isso que o preterista faz. Entre o AT e o NT, ele inverte completamente o significado das palavras. Israel não significa mais a nação de Israel, mas agora deve ser lida como Igreja. Babilônia não significa mais “a cidade às margens do rio Eufrates, na terra de Sinar”, mas agora deve ser lida como Jerusalém! Isso ilustra alguns dos muitos perigos da Teologia da Substituição, alimentada pela interpretação preterista, que causa:

Confusão Escritural – As palavras são elásticas e seus significados podem ser alterados após o fato e até mesmo ser completamente invertidos. As numerosas profecias e promessas do AT de Deus a respeito de Jerusalém e Israel são agora reinterpretadas para significar algo totalmente diferente. Se adotássemos a interpretação preterista, só poderíamos concluir que, em seu contexto original, tais profecias eram enganosas e até mesmo deturpadas, pois a maneira como eram compreendidas na linguagem comum do profeta e seus ouvintes não estavam em seu verdadeiro significado.

Ensinamentos perigosos – A inversão de significado associada a várias passagens resulta em todos os tipos de crenças antibíblicas que podem levar o crente, mesmo sem estar ciente disso, a uma posição em oposição à vontade de Deus. Por exemplo, aqueles que acreditam que a Igreja é o novo Israel provavelmente se opõem ao verdadeiro Israel em suas reivindicações baseadas nas promessas de Deus no AT. Esses crentes se opõem à herança de Deus (Jer 50:11; Joel 3: 2).

Negação da Palavra de Deus – as promessas de Deus não são mais confiáveis. Se as promessas a respeito da cidade literal de Babilônia e da nação literal de Israel no AT não se aplicam mais a essas mesmas entidades, mas agora devem ser entendidas de uma maneira inteiramente nova – não apenas mais ampla, mas de uma forma que nega o significado do contexto original, então que confiança podemos ter nas promessas de Deus para nós? Como sabemos que a vida eterna é realmente eterna? Como sabemos que a Nova Jerusalém é de fato uma cidade real e tão gloriosa quanto o NT descreve? Se usarmos técnicas interpretativas semelhantes às do preterista, podemos descobrir quando chegarmos ao céu que o que Deus disse no NT – baseado nas regras comuns de linguagem e no contexto dos destinatários – não é de forma alguma o que Ele quis dizer. Atribuir tal significado maleável às palavras das Escrituras mina as promessas das Escrituras e difama a natureza de Deus.

A confusão dos preteristas resulta em sua negação de outras coisas que são reveladas a respeito de Babilônia, como a permanência de sua destruição. Se a hipótese Babilônia = Jerusalém estiver correta, Jerusalém nunca seria reconstruída novamente. Apocalipse 18: 21-23 descreve a destruição permanente da Babilônia. De acordo com a visão Babilônia = Jerusalém, Jerusalém foi destruída em 70 DC e nunca mais seria reconstruída. No entanto, como pode esta ser uma descrição de Jerusalém quando as Escrituras falam repetidamente de seu retorno à proeminência durante o reinado milenar (Isa 2: 3; Zc 14:16; Ap 20: 9)? As Escrituras deixam bem claro que Deus ainda tem um plano para o Israel étnico, mas a visão preterista de Jerusalém parece ensinar o oposto.

Também vimos que em sua destruição, Babilônia nunca mais será habitada. Claramente, Babilônia não pode ser Jerusalém, pois Jerusalém é habitada atualmente e nunca foi – nem será – destruída da maneira que as Escrituras descrevem sobre a Babilônia. Também há um problema [título de propriedade] quando se tenta identificar Jerusalém como Babilônia. Babilônia é considerada, “a mãe das meretrizes e das abominações da terra” (Ap. 17: 5). A Escritura indica que Jerusalém, em seus piores momentos, é apenas uma filha prostituta. Veja Ezequiel 16: 3,4 – 44,45 e 23: 2-4:

Assim diz o Senhor Deus a Jerusalém: A tua origem e o teu nascimento procedem da terra dos cananeus; teu pai era amorreu, e tua mãe, heteia. Quanto ao teu nascimento, no dia em que nasceste, não te foi cortado o umbigo, nem foste lavada com água para te limpar, nem esfregada com sal, nem envolta em faixas” (Ez 16:3,4).

Eis que todo o que usa de provérbios usará contra ti este, dizendo: Tal mãe, tal filha. Tu és filha de tua mãe, que teve nojo de seu marido e de seus filhos; e tu és irmã de tuas irmãs, que tiveram nojo de seus maridos e de seus filhos; vossa mãe foi heteia, e vosso pai, amorreu” (Ez 16:44,45).

Filho do homem, houve duas mulheres, filhas de uma só mãe. Estas se prostituíram no Egito; prostituíram-se na sua mocidade; ali foram apertados os seus peitos e apalpados os seios da sua virgindade. Os seus nomes eram: Oolá, a mais velha, e Oolibá, sua irmã; e foram minhas e tiveram filhos e filhas; e, quanto ao seu nome, Samaria é Oolá, e Jerusalém é Oolibá” (Eze 23: 2-4).

Nesta passagem significativa de Ezequiel, diz-se repetidamente que a prostituição de Israel deriva do Egito (Eze 23: 8, 19, 27). Portanto, ela é uma filha prostituta. Nesta mesma passagem que descreve a prostituição de Jerusalém, Ezequiel liga o nascimento de seus parceiros à Babilônia. Portanto, Jerusalém carece da antiguidade necessária para levar o rótulo duvidoso de mãe das prostitutas. Além disso, faltam evidências de que “Babilônia” sempre foi um nome simbólico para Israel. Não há um exemplo de ‘Babilônia’ sendo um nome simbólico para Israel, antes ou depois de 70 d.C. O ônus da prova recai sobre aqueles que mantêm a identificação Babilônia = Jerusalém. E outra grande fraqueza da visão de que Babilônia é Jerusalém é encontrada na datação do livro de Apocalipse. A menos que João tenha escrito o livro antes da queda de Jerusalém em 70 dC, torna-se impossível atribuir a destruição da Babilônia no livro do Apocalipse a esse evento. Ou seja, se ele escreveu depois de 70 dC, como é fato comprovado, então, a argumentação preterista cai por terra. Na verdade, a visão de que Babilônia significa Jerusalém representa uma distorção muito séria da palavra de Deus.

Profecias não cumpridas

Um ponto de desacordo a respeito da interpretação das Escrituras envolve como lidar com passagens que predizem eventos e circunstâncias que evidentemente não aconteceram. Para aqueles que defendem a inerrância e inspiração das Escrituras, existem apenas duas alternativas:

Hipérbole dramática – As passagens proféticas devem ser entendidas como o uso extensivo de figuras de linguagem, como a hipérbole para um efeito dramático. Elas não devem ser entendidas de maneira literal, mas devem ser vistos como uma forma de exagero dramático enfatizando a dureza com que Deus encara o pecado e seu julgamento relacionado. Elas foram cumpridas de forma aproximada por eventos do passado ou são declarações de princípios espirituais.

Predição literal – passagens proféticas não cumpridas fazem uso limitado da hipérbole, mas de forma que seja óbvio onde ela ocorre (por exemplo, 1 Sm 5:12). Em geral, as passagens proféticas são previsões precisas de julgamentos catastróficos que ainda não ocorreram.

Dependendo de qual dessas duas visões alguém sustenta ao ler o AT, as passagens não cumpridas serão aplicadas livremente às circunstâncias imediatas ou serão vistas como se estendendo além das circunstâncias imediatas e falando para um cumprimento final em um futuro distante. Os intérpretes futuristas entendem que a profecia previamente cumprida indica um padrão de cumprimento literal. Isso é de grande importância quando chegamos ao assunto da Babilônia nas Escrituras, porque todos os intérpretes estão cientes de que profecias extensas a respeito da Babilônia, e especialmente a maneira de sua destruição, nunca foram cumpridas como foram declaradas. Aqueles que defendem a hipérbole dramática como explicação tendem a acreditar que as passagens foram cumpridas de maneira aproximada, mas adequada. Aqueles que defendem a previsão literal acreditam que essas passagens nunca foram cumpridas, mesmo aproximadamente, e continuam a falar da futura destruição da Babilônia no tempo do fim. Estamos neste último grupo. E os preteristas precisam sobreviver com esse dilema, que ainda não teve cumprimento:

A Caldeia servirá de presa; todos os que a saquearem se fartarão, diz o Senhor; ainda que vos alegrais e exultais, ó saqueadores da minha herança, saltais como bezerros na relva e rinchais como cavalos fogosos, será mui envergonhada vossa mãe, será confundida a que vos deu à luz; eis que ela será a última das nações, um deserto, uma terra seca e uma solidão.

Por causa da indignação do Senhor, não será habitada; antes, se tornará de todo deserta; qualquer que passar por Babilônia se espantará e assobiará por causa de todas as suas pragas. Ponde-vos em ordem de batalha em redor contra Babilônia, todos vós que manejais o arco; atirai-lhe, não poupeis as flechas; porque ela pecou contra o Senhor.

Gritai contra ela, rodeando-a; ela já se rendeu; caíram-lhe os baluartes, estão em terra os seus muros; pois esta é a vingança do Senhor; vingai-vos dela; fazei-lhe a ela o que ela fez. Eliminai da Babilônia o que semeia e o que maneja a foice no tempo da sega; por causa da espada do opressor, virar-se-á cada um para o seu povo e cada um fugirá para a sua terra” (Jeremias 50:10-16).