Habitantes da Terra – quem são eles?

Apocalipse 3:10, registra: “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra”. É o primeiro uso em Apocalipse do termo “habitantes da terra”, também traduzido como “aqueles que habitam sobre a terra”. Esta frase é usada onze vezes em nove versículos no Livro de Apocalipse (3:10; 6:10; 8:13; 11:10; 13: 8, 12, 14; 14: 6; 17: 8).

E atenção! Habitantes da terra é uma designação para incrédulos persistentes durante a tribulação.

Um preterista convicto declarou: “… a palavra “mundo” no original grego é oikoumene e significa “terra habitada”. Esta palavra é uma designação do império romano dos dias de João… Sobre a frase “os que habitam sobre a terra”, alguns afirmam que o termo correto seria apenas “habitantes da terra”. Independente da forma como se traduz, a verdade é que “os que habitam sobre a terra”, de fato, são os habitantes da terra de Israel”. (1)

É realmente lamentável ver alguns preteristas argumentar que “habitantes da terra” significa “habitantes de Jerusalém”. Não sei ainda como não apareceu um preterista liberal querendo transformar toda a Igreja de Filadélfia em Igreja de Jerusalém, enviando-a para Filadélfia numa imensa excursão. Como eles conseguem enrolar seus leitores e adeptos não sabemos. Parece ser uma reação em cadeia de pensamentos imaginativos sem contexto.

Quando o Apocalipse usa a frase “todos os habitantes da terra”, ou “habitantes da terra”, não está falando dos habitantes de Jerusalém, mas a referência é a todos os injustos que estarão em oposição a Deus e a Igreja numa época de grande provação no fim dos tempos. São aqueles que têm seus corações nas coisas terrenas.

A frase, “os que habitam na terra”, ou “habitantes da terra”, pode parecer uma coisa comum para nós e podemos estar inclinados a pensar que se refere a todos que vivem na Terra. Na verdade, esse é um termo técnico em todo o Apocalipse para os idólatras incrédulos que sofrem sob várias formas de tribulação retributiva. Isso não é óbvio por algumas de nossas traduções porque às vezes elas traduzem a frase grega de maneiras diferentes. Mas a mesma frase grega é usada em vários lugares no Apocalipse e sempre se refere aos inimigos de Deus. Por exemplo, em Apocalipse 6:10 está no clamor dos cristãos que foram mortos por causa da Palavra de Deus e do testemunho que mantiveram. Eles disseram: “Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?”, Ap 6:10.

Ao analisar a frase “habitantes da terra”, uma grande ênfase deveria ser colocada sobre o particípio substantivo grego katoikeo. Esta palavra composta é feita da kata, “abaixo” (no lugar ou tempo) e o verbo oikeo, “habitar”. A preposição inserida como um prefixo para o verbo “morar” intensifica o verbo e leva a ideia de “habitar em alguma coisa”, neste caso, a Terra (morar e residir na) – adequadamente, estabelecer-se como residente permanente, ou seja, em uma residência fixa, de residência pessoal; (figurativamente) “para estar exatamente em casa”. Assim, traz a ideia daqueles que se estabeleceram na terra, em contraste com um habitante do céu.  Os fiéis são estrangeiros que residem na terra (Levítico 25:23; Num 18:20; Num 18:23; 1 Crônicas 1: 29:15; Salmos 39:12; Salmo 119: 19; João 15: 19; João 17:14; João 17:16; Fil 3:20; 1 Pe 2:11) e cuja pátria está no céu (Gal 4:26; Hb 11:13-16; 12:22; Ap 13: 6).

Os verdadeiros cristãos não estão entre esses habitantes da terra, pois os habitantes da Terra odeiam esses cristãos: “Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia”, João 15:19.  Os habitantes da terra são homens cujos corações estão onde estão seus corpos. Sua casa, seus tesouros, sua honra e seus prazeres estão aqui. Aqueles que habitam na terra confiam no homem, na sua doutrina e no seu ambiente.

Veja como Jesus tratou com pessoas desse tipo em João 8:23: “… Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo”.

Nas palavras, “Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo”, Jesus está querendo dizer o seguinte aos judeus: “Vocês pertencem ao que está embaixo, eu pertenço ao que está acima”. Assim, Jesus está afirmando que seus adversários estão abaixo em um sentido espiritual, ou seja, seus valores e doutrina refletem que eles são do mundo e, portanto, sem Deus na sua vida. Em contraste, Jesus é espiritualmente “de cima” no sentido de que seus valores e doutrina têm origem em Deus e, portanto, vem do céu.  Jesus não ser deste mundo, significa que Ele não pertence a este mundo, porque Ele não vive de acordo com os seus padrões.

João exortou os crentes a ser “não deste mundo” (1 João 2:15). O seguidor de Cristo deve olhar para além das coisas da terra. Ele deve olhar  para a glória ainda a ser revelada, e tornar-se mentalmente e moralmente alterado pela influência que é “de cima”. Um homem que “ama o mundo” é “de baixo”, ou da “terra”, mas alguém que tem “o amor do Pai” habitando nele é “de cima” (1 João 2:15). Jesus disse a Nicodemos que uma pessoa deve “nascer do alto” (João 3:3) se ele quer herdar o reino de Deus. Esse tal é gerado pela palavra de Deus (I Pedro 1:23 e 1 João 3:9-10), por uma “sabedoria que vem do alto” (Tiago 3:15-18). O personagem que ele vai desenvolver é  moldado pela Palavra que habita nele (João 17:17), para que ele possa reivindicar ser “de cima”. Esse é o contraste para com os habitantes da terra.

Filipenses 3:19, sobre estas pessoas, diz que: “O fim é a perdição; cujo Deus é o ventre, e cuja glória é para confusão deles, que só pensam nas coisas terrenas”. Veja a palavra no Salmo 17:14 , “Dos homens com a tua mão, Senhor, dos homens do mundo, cuja porção está nesta vida, e cujo ventre enches do teu tesouro oculto”.

Não foi por acaso que  a New Living Translation  traduziu Apocalipse 3:10 dessa forma: “Because you have obeyed my command to persevere, I will protect you from the great time of testing that will come upon the whole world to test those who belong to this world”, Ap 3:10.

Por ter obedecido meu comando para perseverar, eu o protegerei do grande momento de testes que virá sobre todo o mundo para testar aqueles que pertencem a este mundo”.

Sobre os que habitam na terra baterão com ímpeto os grandes temporais dos selos, das trombetas e taças descritos em Apocalipse. A tribulação e a ira associadas destinam-se a testar aqueles cuja casa, cidadania e foco são terrestres ao invés de celestiais. A segunda parte do versículo 10 de Apocalipse capítulo 3 é uma clara referência a grande provação que virá sobre muitos no fim dos tempos: “… da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra”. Essa não foi uma referência para a igreja original de Filadélfia porque alcança o mundo todo. A frase, “aqueles que habitam sobre a terra”, assume um significado soteriológico/escatológico aqui em Apocalipse, pois denota os não guardados no tempo do fim que continuam firmes na rejeição a Deus.

Tanto Isaías como Sofonias descrevem esse dia: “Porque eis que o Senhor sairá do seu lugar, para castigar os moradores da terra, por causa da sua iniquidade, e a terra descobrirá o seu sangue, e não encobrirá mais os seus mortos”, Isaías 26:21.

O grande dia do Senhor está perto, sim, está perto, e se apressa muito; amarga é a voz do dia do Senhor; clamará ali o poderoso. Aquele dia será um dia de indignação, dia de tribulação e de angústia, dia de alvoroço e de assolação, dia de trevas e de escuridão, dia de nuvens e de densas trevas, dia de trombeta e de alarido contra as cidades fortificadas e contra as torres altas. E angustiarei os homens, que andarão como cegos, porque pecaram contra o Senhor; e o seu sangue se derramará como pó, e a sua carne será como esterco. Nem a sua prata nem o seu ouro os poderá livrar no dia da indignação do Senhor, mas pelo fogo do seu zelo toda esta terra será consumida, porque certamente fará de todos os moradores da terra uma destruição total e apressada”, Sof 1:14-18.

Habitantes da terra no Velho Testamento

Essa terminologia em Apocalipse para habitantes da terra se origina no Velho Testamento. Ela é usada quase 50 vezes no Velho Testamento hebraico. Para nosso estudo, basta encontrarmos os textos [ignoradas pelos preteristas] que indicam algo inverso do pretendido por eles, de que as referências veterotestamentárias para “habitantes da terra” aponta apenas para habitantes da terra de Canaã, ou terra de Jerusalém, Vejam alguns exemplos:

Salmos 33:14 “Do lugar da sua habitação contempla todos os moradores da terra”.

Isaías 18:3 “Vós, todos os habitantes do mundo, e vós os moradores da terra, quando se arvorar a bandeira nos montes, o vereis; e quando se tocar a trombeta, o ouvireis”.

Isaías 24:6, 17 “Por isso a maldição tem consumido a terra; e os que habitam nela são desolados; por isso são queimados os moradores da terra, e poucos homens restam… O temor, e a cova, e o laço vêm sobre ti, ó morador da terra”.

Isaías 26:21 “Porque eis que o Senhor sairá do seu lugar, para castigar os moradores da terra, por causa da sua iniquidade, e a terra descobrirá o seu sangue, e não encobrirá mais os seus mortos”.

Jeremias 25:30 “Tu, pois, lhes profetizarás todas estas palavras, e lhes dirás: O Senhor desde o alto bramirá, e fará ouvir a sua voz desde a morada da sua santidade; terrivelmente bramirá contra a sua habitação, com grito de alegria, como dos que pisam as uvas, contra todos os moradores da terra”.

Joel 2:1 “TOCAI a trombeta em Sião, e clamai em alta voz no meu santo monte; tremam todos os moradores da terra, porque o dia do Senhor vem, já está perto”.

Sof 1:18 “Nem a sua prata nem o seu ouro os poderá livrar no dia da indignação do Senhor, mas pelo fogo do seu zelo toda esta terra será consumida, porque certamente fará de todos os moradores da terra uma destruição total e apressada”.

As referências a seguir com relação a “habitantes do mundo” parecem estar em um contexto global (Salmo 33: 8; Isaías 18: 3, 26: 9, 18, Lam 4:12). E, curiosamente, em Lamentações 4:12 ela é utilizada separando os habitantes de Jerusalém de moradores do mundo. Veja:

Não creram os reis da terra, nem todos os moradores do mundo, que entrasse o adversário e o inimigo pelas portas de Jerusalém”.

Evidente que parece haver uma mudança no texto, que pode ser reclamada pela teimosia preterista exigindo a mesma frase apresentada em Apocalipse 3:10, “habitantes da terra”, no lugar de habitantes do mundo, ou moradores do mundo. Porém, um detalhe localiza todos em um mesmo evento.  Vários textos com o uso de “habitantes do mundo, ou moradores do mundo”, no Antigo Testamento aparecem em um texto de julgamento mostrando os acontecimentos ocorrendo no futuro, durante o dia do Senhor ou período de tribulação.

É de especial importância que os “habitantes da terra” e os “habitantes do mundo” sejam usados ​​várias vezes em Isaías 24-27, muitas vezes chamado de “Apocalipse de Isaías”. O capítulo 24 nos diz que o julgamento mundial de Deus virá sobre toda a humanidade com especificações apontando “os habitantes da terra”. Veja os versículos 5,6 e 17:

Na verdade a terra está contaminada por causa dos seus moradores; porquanto têm transgredido as leis, mudado os estatutos, e quebrado a aliança eterna. Por isso a maldição tem consumido a terra; e os que habitam nela são desolados; por isso são queimados os moradores da terra, e poucos homens restam… o temor, e a cova, e o laço vêm sobre ti, ó morador da terra”.

Os dois versos finais do capítulo 26 são um discurso do período da tribulação. O versículo 20 diz que Israel será escondido e protegido: “Vai, pois, povo meu, entra nos teus quartos, e fecha as tuas portas sobre ti; esconde-te só por um momento, até que passe a ira”.

Como o povo de Deus, ou o remanescente de Israel será protegido durante a tribulação, então, qual será o propósito de Deus para o julgamento desse período? O versículo 21 responde a pergunta: “Porque eis que o Senhor sairá do seu lugar, para castigar os habitantes da terra, por causa da sua iniquidade, e a terra descobrirá o seu sangue, e não encobrirá mais os seus mortos”.

Assim, vemos que um propósito para a tribulação será “punir” os habitantes da terra. Isto é muito semelhante à afirmação em Apocalipse 3:10 que diz que o Senhor “testará aqueles que habitam sobre a terra“. Parece claro que Isaías 24-27, e especialmente em 26:21 desvenda o pano de fundo para entendermos Apocalipse 3:10, bem como o que João usa de “habitantes da terra”.

Uma vez que os principais propósitos dos julgamentos da tribulação são para “punir” (Isaías 26:21) ou “testar” (Apocalipse 3:10) os habitantes da terra, é importante saber o que isso significa. A palavra grega para “teste” é peirazo, o que significa “esforçar-se para descobrir a natureza ou o caráter de algo o testando”. É importante ter em mente que o propósito dos julgamentos da tribulação em Apocalipse (4-19) é para testar os moradores da terra nas circunstâncias mais extremas. Porém, não importa a severidade dos julgamentos que são emitidos do céu, nenhum morador da terra se arrepende (ver Ap 6: 15-17; 9: 20-21; 16: 9, 11, 21).

O fato de que nem um único morador da terra se arrepende na descrição detalhada de seus testes no Apocalipse é provavelmente o motivo pelo qual o termo  retributivo “punir” é usado em Isaías 26:21. A habilidade na escrita de Isaías retrata uma avaliação concluída, enquanto João fala do propósito antes de produzir um determinado resultado. No entanto, os eventos subsequentes do Apocalipse deixam claro que o teste nos habitantes da terra reivindica o julgamento de Deus sobre eles.

Quando examinamos as onze expressões “habitantes da terra” no Apocalipse, vemos um composto interativo que se desenvolve. Não só eles devem ser testados para mostrar o seu verdadeiro metal (3:10), eles são claramente identificados como aqueles que estão perseguindo e matando crentes durante a tribulação (6:10); mais um motivo para que os julgamentos da tribulação sejam direcionados para os “que habitam nessa terra” (8:13), os que negociam com as coisas desse mundo.

Uma passagem semelhante, que não usa o termo “habitantes da terra”, mas quase certamente tem em mente os “habitantes da terra” através de um nome diferente (aqueles que não amam a verdade), fornece uma visão mais aprofundada sobre este assunto. “E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade” (2 Tess 2: 11,12).

Resumo                                                      

Todas as referências sobre “os habitantes da terra” de Apocalipse apontam para uma condição moral de muitos, e não que seja estritamente um termo geográfico, mesmo que a frase tenha uma conotação geográfica. O termo “moradores da terra” é uma figura de linguagem para “incrédulos durante a tribulação”. É um “termo técnico” que se refere negativamente aos incrédulos que estão sujeitos ao divino julgamento porque perseguem o povo de Deus e praticam a idolatria.

Os “habitantes da terra” são contrastados com o foco adequado em Apocalipse sobre o templo celestial, de onde as ordens de Deus se dirigem para estabelecer o Reino de Deus na Terra. Em vez disso, o foco e as ambições para os “habitantes da terra” são limitados à terra e não a vontade de Deus, que é emitida do céu e decretada sobre a terra.

“Aqueles que habitam na terra” estão associados à adoração da Besta/ou da imagem da Besta, que toma a marca ou o nome dela ou o número do nome dela: “E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo”, Apo 13:8. Observe que aqui  a referência não envolve todos os habitantes do planeta, mas esclarece que é uma multidão distinta quando diz que “esses não tem seus nomes escritos no livro da vida do Cordeiro”. Isso os distingue daqueles que tem seus nomes escritos, e que estão na cena juntamente com eles.

Veja outra referência em Apoc 17:8, “A besta que viste foi e já não é, e há de subir do abismo, e irá à perdição; e os que habitam na terra (cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde a fundação do mundo) se admirarão, vendo a besta que era e já não é, mas que virá”.

Todas as classes [de homens chamados aqui] literalmente residem na terra, mas a frase em questão tem um significado moral e religioso: Eles são apóstatas do cristianismo, tendo deliberadamente e determinadamente rejeitado a vocação celestial, e escolheram a terra. Deus pode ter um tesouro no céu para eles, mas eles estão determinados a ter a terra como o seu lugar e porção.

Devemos considerar também que esses habitantes da terra serão submetidos à enganação incrível antes de serem exterminados, como atesta Apocalipse 13: 12-14: “E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada. E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu a terra, à vista dos homens. E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia”.

Apocalipse 17: 8 acrescenta: “A besta que viste foi e já não é, e há de subir do abismo, e irá à perdição; e os que habitam na terra (cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde a fundação do mundo) se admirarão, vendo a besta que era e já não é, mas que virá”. Isso jamais ocorreu no primeiro século, quer seja antes ou imediatamente após a destruição de Jerusalém.

Todas essas referências em Apocalipse para “os que habitam sobre a terra” indicam claramente que eles serão as pessoas não salvas do futuro período de testes – e nunca serão salvas.  Apesar dos horrores devastadores da sexta trombeta, que vai matar um terço da humanidade, muitos deles não se arrependerão de seus atos perversos. É o que esclarece Apocalipse 9: 20,21:

E os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras de suas mãos, para não adorarem os demônios, e os ídolos de ouro, e de prata, e de bronze, e de pedra, e de madeira, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar. E não se arrependeram dos seus homicídios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos”.

E atenção; estes não podem ser habitantes de Jerusalém – os judeus. A descrição da prostituta de Apocalipse parece comunicar o seu grande envolvimento com a idolatria (adultério espiritual, coisas impuras e abominações); esta não é uma descrição da Jerusalém do primeiro século, à luz do fato de que a cidade daquela época era estritamente monoteísta.

A condição dos judeus em 70 dC não pode ser a que foi descrita em Apocalipse 9:20 acima, onde fala daqueles que foram feridos pela explosão de sexta trombeta; alguns dos quais foram mortos, e alguns poupados, não poderiam ter sido judeus, pois o texto diz que estes estavam envolvidos com idolatria. Os judeus não eram idólatras. Não podemos envolver a Jerusalém de 70 dC em um contexto que a acusa de fabricar ídolos de ouro, de prata e de bronze. Isso abrange um povo maior. Eles estão além de Jerusalém, estão espalhados pelo mundo todo. Lucas avança para fora de Jerusalém quando diz que esse tempo de tribulação virá inesperadamente “como um laço sobre todos os que habitam na face de toda a terra”, 21:35. Eles sofrerão durante um tempo de teste como nenhum antes deles sofreu:

E os reis da terra, e os grandes, e os ricos, e os tribunos, e os poderosos, e todo o servo, e todo o livre, se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas; E diziam aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro; Porque é vindo o grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir?” (Ap 6: 16-17). Essa é uma das descrições para “habitantes da terra”. E observe que eles serão mortos – são as mesmas pessoas. Em Apocalipse 19:17, 18 “… um anjo que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde, e ajuntai-vos à ceia do grande Deus; Para que comais a carne dos reis, e a carne dos tribunos, e a carne dos fortes, e a carne dos cavalos e dos que sobre eles se assentam; e a carne de todos os homens, livres e servos, pequenos e grandes”.

Isso jamais aconteceu antes ou depois da destruição de Jerusalém. Onde, no primeiro século durante o cerco de Jerusalém se vê “reis da terra”, “grandes homens, homens ricos, chefes militares e todo escravo e todo livre”, se escondendo nas cavernas e nas rochas das montanhas, gritando: “esconde-nos da ira do Cordeiro” (Ap 6,16)?

A ira do exército romano não é a ira do Cordeiro, nem foi visto em uma escala descrita nas profecias do tempo do fim. O “dia do Senhor” é inaugurado com sinais catastróficos em todo o mundo. Isso não aconteceu no primeiro século.

Repare novamente que esses “habitantes da terra” estão em conexão com o Anti (contra) Cristo e Satanás: “E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela? E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo”. E todos os que habitam sobre a terra a adorarão; os habitantes do Império Romano, a parte idólatra dele, os homens do mundo, os homens da terra ocupados com suas doutrinas e tratados, dogmas anticristãos e heresias. Todos são da terra, são terrenos e buscam apenas honras deste mundo e seus lucros; estes são os admiradores e adoradores da besta.

E estes habitantes da terra, repito, participam voluntariamente da matança daqueles que permanecem fiéis a Deus. Veja em Apocalipse 6: 10 como os fieis pedem vingança: “E clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?”

Eles terão sua paga: “E olhei, e ouvi um anjo voar pelo meio do céu, dizendo com grande voz: Ai! ai! ai! dos que habitam sobre a terra! por causa das outras vozes das trombetas dos três anjos que hão de ainda tocar”, Apoc 8:13.

Por isso alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo” Apocalipse 12:12.

Pátria Celestial

Filipenses 3:20, 21, diz dos cristãos verdadeiros: “Mas a nossa Pátria está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas”.

Como os heróis da fé de Hebreus 11, estes cristãos procuram uma cidade que tem fundamento, pois eles “… confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra. Porque, os que isto dizem, claramente mostram que buscam uma pátria. E se, na verdade, se lembrassem daquela de onde haviam saído, teriam oportunidade de tornar. Mas agora desejam uma melhor, isto é, a celestial. Por isso também Deus não se envergonha deles, de se chamar seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade”, Hebreus 11:13-16.

(1) RAIMUNDO, Cesar Francisco: “Quem são os habitantes da terra de acordo com o livro do Apocalipse?” (Revista Cristã Última Chamada).

A Deus toda Glória