A GRANDE CIDADE

Refutando o Catolicismo Preterista e diversos outros dogmas Romanos

Católicos Preteristas

best view of roma.0O preterismo tornou-se proeminente graças a um sacerdote jesuíta chamado Luis de Alcazar (1554-1613), que procurou defender a Igreja Católica contra os ataques dos reformadores, que apontavam a apostasia e o destino dessa Igreja previsto em Apocalipse 17 e 18. Alcazar negou a acusação dos reformadores que o livro de Apocalipse era uma profecia contra a Igreja Romana. Em vez disso, ele argumentou que o livro era uma profecia sobre as lutas da Igreja durante seus primeiros anos. Os capítulos 4 a 11 foram interpretadas como representando a luta da Igreja contra o Judaísmo, culminando com a queda de Jerusalém em 70 AD. Os  capítulos 12 a 19 eram vistos como a luta da Igreja contra o paganismo, terminando com a queda de Roma em 476. Os capítulos 20 a 22 foram interpretadas como uma descrição simbólica das glórias da Roma papal. Usando essa abordagem inteligente, Alcazar foi capaz de limitar a gama de profecias do Apocalipse para os primeiros 500 anos da Era Cristã.

Alcazar era um preterista suave. Uma forma mais radical de Preterismo ganhou popularidade na última parte do século 20 e hoje é a versão mais difundida desta abordagem interpretativa. Ele vê quase todas as profecias do Apocalipse como cumpridas na destruição de Jerusalém em 70 dC, exceto para a ressurreição dos crentes e a Segunda Vinda de Jesus. O preterismo atribui a Tribulação para a queda de Israel, a grande apostasia da igreja do primeiro século, interpretando a expressão “últimos dias” como sendo o período entre a ascensão de Jesus e a destruição de Jerusalém. A besta é visto como um símbolo de Nero em particular, e do Império Romano em geral. O Falso Profeta é comparado com a liderança do Israel apóstata. Escusado será dizer que muitos dos porta-vozes do ponto de vista são anti-semitas.

A interpretação preterista, confusa ao extremo, é totalmente improvável e enferma, pois deixa o crente sem orientação profética durante muitos séculos, exatamente onde ele deveria buscar estes recursos, em Apocalipse. O preterismo propõe que Apocalipse cumpriu-se quase totalmente, o que leva-nos a concluir que houve mais de dezoito séculos de trevas proféticas sem orientação e encorajamento. Além disso, o preterismo defende, entre outras coisas, que a besta de Apocalipse 13:1-12 se refere a Nero, sendo um fato já cumprido, como também admite que a Grande Babilônia condenada no capítulo 18 de Apocalipse é Jerusalém, que foi julgada por Deus através da invasão romana comandada pelo general Tito em 70 dC. A interpretação Preterista resume o Apocalipse a um manual de história da Igreja sob os Césares, quando garante que todo o livro foi já cumprido nos dias do Império Romano.

Apocalipse é um livro com símbolos suficientes para cobrir quase dois milênios de história, mas o preterismo ensina que esses símbolos devem ser interpretados de modo a cobrir alguns meses no passado. Não percebem  que Apocalipse superlota o futuro com símbolos e eventos. Esse é o grande disparate em tudo isso, que sendo para o futuro, a interpretação preterista diz que tudo ocorreu no passado. Eles não se importam nem com aqueles que desejam verificar a profecia. Isso é diabólico ao extremo, pois mantém  as pessoas apalpando a escuridão  fazendo de Apocalipse um livro reconhecido apenas como especulação futurista. Porém, a verdade é que com a interpretação histórica contínua, descobrimos nos símbolos já verificáveis que podemos ter confiança para delinear o que ainda é futuro.

Eu simplesmente não consigo entender como alguém pode seguir uma linha de pensamento preterista à luz dos acontecimentos do mundo atual. Como em muitos casos, o orgulho é uma das razões mais comuns que fazem as  pessoas se envolver em  erro doutrinário, levando-as a acreditar piamente que  são parte de um grupo especial que descobriu uma verdade escondida, no caso aqui, o preterismo. E o pior nisso tudo é o  fato de que milhões de pessoas  se juntaram a eles no apoio a sua heresia.

Todo esse engano foi gerado pela má interpretação da declaração de Jesus que “esta geração não passará até que tudo seja cumprido” (Mateus 24:34). Parece fácil o suficiente aceitar que a afirmação do Mestre seja uma referência  a geração do primeiro século. No entanto, a lógica termina  quando se contempla o cumprimento de todas as profecias da Bíblia.

Por exemplo, o Senhor Jesus ao mostrar aos seus discípulos os principais eventos que antecederiam seu glorioso regreso, afirmou que esse regreso seria concretizado “logo após a aflição (tribulação) daqueles dias” (Mateus 24:29). Antes de revelar isso, o Mestre já tinha mostrado aos discípulos que aquela tribulação que antecederia imediatamente seu regresso seria a maior tribulação de todos os tempos (Mateus 24:21). Ou seja, a grande tribulação descrita no Apocalipse já fora citada pelo Senhor Jesus como um evento que acontece imediatamente antes da Sua volta.

A fim de estabelecer a magia preterista dos anos 70 dC, teríamos que excluir dezenas de profecias que nunca foram cumpridas. Quando foi o Evangelho pregado a todas as nações? Quando foi a marca da besta implementada? Quando foi que pedras de granizo caíram do céu? E sobre o exército  de 200 milhões de homens que avança até a terra santa?  Aliás, de onde saiu essa imensa cavalaria? Observem o detalhe bombástico nessa lacuna que o preterismo deixa: Duzentos milhões de soldados Romanos invadem Jerusalém!

Apocalipse diz

E o número dos exércitos dos cavaleiros era de duzentos milhões; e ouvi o número deles“, Apoc 9:16

De onde emergiu um exercito tão numeroso na época da invasão de Jerusalém? Duzentos milhões de cavaleiros romanos (?) para lutar contra Jerusalém enquanto a população do mundo todo não alcançava a cifra de cento e oitenta milhões de habitantes!

As perguntas são infinitas: Por que vemos o renascimento de Israel se a Jerusalém Babilônia foi removida para sempre em 70 dC (Apoc 18) e não mais seria achada? Quando foi que todos os judeus gritaram: “Bendito o que vem em nome do Senhor“, como Jesus disse que iria acontecer?

Os judeus convertidos da Igreja Primitiva sabiam, por exemplo, que o evangelho deveria ser pregado a todas as nações, que Pedro deveria ficar velho, que o sinal do Senhor deveria aparecer nos céus, que os dez chifres deveriam ser consolidados, que os sinais do Dia do Senhor deveriam trazer comoção mundial ou que o homem do pecado (anticristo) deveria se manifestar primeiro.

Há ainda mais um problema enorme para ser lançado no caminho do preterismo, ele está em  Lucas 21:28

“E quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção se aproxima”.

Os preteristas não cessam nos seus discursos, alardeando ao quatro cantos do planeta, que Mateus 24 e especialmente este versículo de Lucas, confirmam  nas palavras de Jesus uma referência ao que precederia a destruição de Jerusalém, que  TODAS as coisas ali descritas foram previsões sobre a invasão romana que devastaria a cidade santa.

Não vou muito longe não, mas vou fazer o que o preterismo odeia, perguntar: Se a iminente destruição estava a caminho, por que Jesus  lhes falava que estava próxima uma redenção? Por que nosso Senhor falava em  preservar a vida dos crentes judeus se estava para vir sobre eles uma imensa catástrofe? Mas não é apenas isso, pois em Mateus 24:30-31 , o Senhor Jesus, ao terminar o discurso que os preteristas garantem ter se cumprido na destruição de Jerusalém em 70 dC, conclui dizendo  sobre reunir e proteger os escolhidos com ele !!!

“E ele enviará os seus anjos com uma grande trombeta e eles reunirão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma extremidade do céu para o outro”.

Afinal de contas, o que aconteceu com Jerusalém, ela foi protegida da destruição predita em Mateus 24 ou foi entregue as forças romanas? Certamente não conseguirão responder!

Observem algumas outras coisas que os preteritas afirmam ter acontecido antes da queda da cidade santa:

Lc 21:25,26 “E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações…     Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo…”.

Não se sabe por que, mas antes da destruição de Jerusalém haveria “… na terra angústia das nações…”. Por que angustia das nações se a guerra era entre Jerusalém e Roma apenas?

Será que o preterismo  também saberia dizer por que homens desmaiariam de terror pelos coisas que sobreviriam ao MUNDO TODO antes de 70 dC?

Será que  todas as tribos da terra tiveram uma razão para se lamentar no período compreendido entre 66 e 70 d.C diante dos sinais nos céus?

E o que dizer de doutrinas e fatos encontradas  no Apocalipse dos quais não temos  evidência antes de 70 dC?

1 – A invasao dos Nicolaitas na Igreja, Apocalipse 2:6, 15;

2 – A invasão de Jezebel, Apocalipse 2:20;

3 – Não houve tempo para o declínio espiritual em Éfeso, Sardes e Laodicéia como é descrito no livro do Apocalipse.

4 – Parece haver fortes evidências de que a igreja de Esmirna não existia no ano 70 dC.

5 – Laodicéia sofreu um terremoto em 60 dC, e foi destruída pelo mesmo. Em 70 AD  nao haveria  tempo ainda  para a igreja  se tornar rica novamente e, assim, este material não poderia ter sido escrito antes de 70 dC.

O Preterismo produz algumas explicações bizarras por que o mundo ainda está experimentando o sofrimento e as calamidades que explodem diante de nossos olhos. Uma explicação absurda é aquela que responsabiliza Deus pelo controle populacional como a razão para o sofrimento da humanidade. Aqui está o absurdo que um autor preterista escreveu:

“Acredito que as pessoas nascem e pessoas morrem. Presenciamos ascensão e queda de reinos e reinos. Deus é o controlador da população providencial. Ele traz a fome, doenças, catástrofes naturais, guerras e tumultos. Um terço da população da Europa foi destruído pela peste negra no início deste milênio. oitocentos e cinqüenta mil morreram no terremoto em 1556 na província de Xangai, China. Dois milhões foram mortos na Segunda Guerra Mundial. Treze milhões foram mortos sob Stalin e 6 milhões sob Hitler. Deus está  muito equipado para o controle da população.”

Está aí um remédio pior que a doença, fabricado no laboratório dessa confusa doutrina, que será devidamente refutada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: